Visigodos na Península Ibérica

Os Visigodos chegaram em força à Península Ibérica através dos Pirenéus, no princípio do século V. Vinham em nome do imperador do Ocidente, Honório, com o propósito de estabelecer a ordem na Península, que, na altura, estava invadida por Vândalos, Suevos e Alanos. Em 585, o reino visigótico anexou o reino suevo.
Os Visigodos seguiam o arianismo. Para promover a fusão, ao nível religioso, Recaredo abjurou solenemente da religião ariana em 587, tornando o catolicismo a religião oficial do Estado.
No que diz respeito ao direito, a realeza esforçou-se para que se concretizasse a unificação do direito romano com o visigótico. Assim, em 654 dá-se a promulgação de um código uno, o Liber Judiciorum, doze livros de leis inspiradas no direito romano. A monarquia visigótica era eletiva: o rei era escolhido pelos nobres, o que provocava grandes disputas entre as famílias mais poderosas, enfraquecendo a monarquia.
Apesar de dominarem política e administrativamente o território peninsular, os Visigodos nunca foram capazes de realizar uma colonização efetiva, visto serem, em número, inferiores à restante população da região.
O reino visigodo sucumbiu à invasão muçulmana da Península, que teve lugar em 711.
Como referenciar: Visigodos na Península Ibérica in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-01-16 05:32:26]. Disponível na Internet: