Wiel Arets

Arquiteto holandês, Wiel Arets nasceu em 1955, em Heerlen. Graduado em Arquitetura pela Universidade Técnica de Eindhoven (1983) e Unit Master na AA - Architectural Association, Londres (1992). No período 1984-1989, efetuou viagens pela América e Europa em geral, e em particular na Rússia e Japão.
Leciona desde 1986, diversos cursos de Arquitetura, quer na Holanda quer nos Estados Unidos, Áustria e Dinamarca. Entre 1992-1994 foi professor convidado no Instituto Berlage, escola de pós-graduação em Arquitetura, Amesterdão, do qual se torna reitor em 1995.
Recebe inúmeros prémios de arquitetura, em particular pela Academia de Arte e Arquitetura de Maastricht (1989-1993), bem como uma menção especial no Prémio Mies van der Rohe, em 1994. Estabelece em Heerlen (1994) o seu gabinete de arquitetura. Para além da obra já referida, destaque ainda para 67 apartamentos em Tilburg (1992-1994); a sede da Caixa de Pensões AZL, Heerlen (1990-1995); escritórios Céramique, Maastricht (1990-1995); e a esquadra de polícia de Boxtel (1994-1997), entre outras, igualmente na Holanda. De certa forma contrastando com estas obras institucionais ou de âmbito coletivo, edificou a Casa Lohmann, Colónia, Alemanha (1995) e a Casa-estúdio Arets / Sijstermans, Maastricht (1996-1997).
Teórico influente no sempre presente debate de ideias nos Países Baixos desde o início do século XX, com a Escola de Amesterdão e o movimento De Stijl, mantém uma postura crítica face à emergente arquitetura dos anos 90, às solicitações e seduções da prática profissional e teoricamente abrangente (referências à literatura, cinema, artes e filosofia).
Defende o poder interventivo e operativo do projeto de arquitetura na transformação e gestão da cidade entendida como um organismo em mutação. Debruça-se igualmente acerca do processo em sentido inverso, isto é, o reequacionamento de programas, as alterações metodológicas provocadas pelo computador, defendendo a tendência para a transformação da arquitetura em meio de comunicação, ao ponto da sua própria desmaterialização (apostando na clareza e simplicidade volumétrica, eficácia e rigor construtivo).
No dealbar do século XXI, afirma que nos encontramos no limite de uma nova era.

Como referenciar: Wiel Arets in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-12-06 11:13:12]. Disponível na Internet: