William Boyd

Escritor britânico, William Boyd nasceu a 7 de março de 1952, em Acra, a capital do Gana. Filho de um médico e de uma professora, acompanhou a família na sua mudança para a Nigéria, ocorrida em virtude da proclamação da independência do Gana, em 1957.
Quando contava apenas nove anos de idade, William Boyd foi enviado para a Escócia para estudar na The Gordonstoun School, instituição de ensino que o Princípe de Gales frequentou por essa altura.
Terminando os seus estudos secundários, ingressou na Universidade de Glasgow, de onde se diplomou em Estudos Ingleses. Transitou em 1975 para o Jesus College da Universidade de Oxford, onde apresentou uma tese de doutoramento consagrada à poesia de Percy Shelley.
Começou em 1981 a desempenhar as funções de crítico de televisão para o The New Statesman passando, ao fim de algum tempo, a lecionar no departamento de Inglês do St. Hilda's College de Oxford.
Após ter concluído dois romances que não publicou, Is That All There Is? e Against The Day, Boyd completou, em apenas três meses e enquanto professor, A Good Man In Africa (1981), obra bem humorada que contava a história de um diplomata alcoólico vivendo em África e que cede às chantagens de um político local. O romance surpreendeu a crítica e valeu a Boyd os prémios literários Whitbread e Somerset Maugham. Nesse mesmo ano apareceu também uma coletânea de contos com o título On The Yankee Station and Other Stories (1981).
Em 1982 publicou An Ice-Cream War, romance muitíssimo bem acolhido pela crítica e pelo público em geral, e que não só foi nomeado para o Prémio Booker, como venceu o Prémio John Lllewellyn Rhys. Seguiram-se Stars And Bars (1984), School Ties (1985) e The New Confessions (1987, As Novas Confissões). Em 1983 foi eleito membro da Real Sociedade da Literatura, altura em que cessou a sua colaboração com a revista The New Statesman.
Em 1990 tornou a ser galardoado com vários prémios literários pela publicação de Brazzaville Beach (1990), repetindo a proeza três anos depois, em consequência da publicação de The Blue Afternoon (1993, Tarde Azul). Após a publicação de Nat Tate: An American Artist 1928-1960 (1998), Boyd conseguiu enganar grande número de críticos de arte, já que a obra apresentava a biografia fictícia de um pintor norte-americano, que estes tomaram por verdadeira. No ano de 2002 surgiu Any Human Heart (2002), romance que conta a história do século XX através dos diários imaginários de um escritor, Logan Mountstuart.
Como referenciar: William Boyd in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2021. [consult. 2021-04-21 02:00:19]. Disponível na Internet: