Yasser Arafat

Líder palestiniano, de nome completo Mohammad Abdel Rauf Arafat al-Qudwa al-Husseini, nascido em 1929, em Jerusalém, começou cedo a atividade política a favor do seu povo, que se via sem território próprio onde localizar uma pátria. Destacou-se sobretudo pelos cargos de presidente da Organização de Libertação da Palestina (OLP), que assumiu em 1968, e presidente da Autoridade Palestiniana autónoma (com sede em Jerusalém), que governa os territórios de Jericó e da Faixa de Gaza.
Foi, de 1952 a 1956, presidente da União dos Estudantes da Palestina, tendo-se licenciado, ainda em 1956, na Faculdade de Engenharia da Universidade do Cairo. Em 1959 fundou o movimento Al-Fatah, que se tornou o braço armado da OLP, organização que, em 1974, foi reconhecida como representante do povo palestiniano. Realizou diversas viagens, contactando líderes de diversos países em busca de apoios políticos para a sua causa, e foi também convidado a discursar na Assembleia Geral da ONU, facto que ficou registado na história política palestiniana.
Arafat imprimiu à luta do povo palestiniano um cunho próprio, que valorizava o empenho diplomático e os esforços de conciliação. Em 1988 proclamou a independência do Estado da Palestina. Reconheceu, em 1993, a existência do Estado de Israel, o grande adversário nesta senda, e, no ano seguinte, assinou o acordo de paz que concedia autonomia aos territórios ocupados pelos judeus. Este acontecimento chamou a atenção do Comité Nobel, que decidiu laurear Arafat, juntamente com os líderes israelitas Yitzhak Rabin e Shimon Perez, com o Prémio Nobel da Paz (1994) - Arafat visitaria Israel, pela primeira vez, logo no ano seguinte, aquando da morte de Yitzhak Rabin. Apesar dos esforços, as contendas entre palestinianos e israelitas não pararam devido a ataques de grupos extremistas, que causaram inúmeros problemas à tentativa de manutenção da paz. O acordo de paz entre os dois territórios passou por várias dificuldades durante o mandato de Benjamin Netanyahu (1996-1999), substituto do primeiro-ministro Yitzhak Rabin.
Em maio de 1999, Ehud Barak foi eleito chefe do governo israelita. Várias tentativas foram levadas a cabo pelos dois líderes para que o acordo de paz fosse cumprido (encontros de Camp David, em 2000, nos EUA), mas fracassaram, e os atos de violência intensificaram-se. O ataque terrorista de 11 de setembro de 2001 aos EUA agravou ainda mais a situação. Mais tarde, os acordos diplomáticos entre Ehud Barak e Yasser Arafat foram quebrados e ataques israelitas à Palestina proporcionaram o cerco à sede de Yasser Arafat em Ramallah, tornando-o prisioneiro domiciliário, em 2002. O líder palestiniano vivia um período de isolamento diplomático e resolveu anunciar eleições governamentais em 2004, mas o parlamento não lhe deu o voto de confiança necessário e o seu gabinete demitiu-se.
Em março de 2003 cedeu à pressão internacional e nomeou um primeiro-ministro, Mahmoud Abbas (líder parlamentar da Autoridade Palestiniana), que ficaria encarregado da política local, relacionada com os territórios palestinianos. Yasser Arafat continuaria com a política internacional e com o poder de demitir ou eleger o primeiro-ministro.
Em finais de outubro de 2004, sofreu um colapso que o pôs entre a vida e a morte, tendo sido assistido por uma forte equipa médica. O estado de saúde de Arafat inspirava cuidados e as autoridades israelitas levantaram o cerco a Ramallah, permitindo, assim, a hospitalização do líder palestiniano em Paris. Acabou por falecer na madrugada de 11 de novembro do mesmo ano.
Foi substituido, nas eleições de 9 de janeiro de 2005, por Mahmoud Abbas na presidência da Autoridade Palestiniana.
Como referenciar: Yasser Arafat in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-10-01 21:47:21]. Disponível na Internet: