Vikings na América

Em 982, Erik, o Vermelho (Erik Randeki), foi deportado da Islândia para Thorness Thing, numa grande ilha no Atlântico Norte, durante três anos. Eric decidiu passar o seu exílio a conhecer o país para oeste, que já tinha sido descoberto cinquenta anos antes. Durante três anos explorou a região onde ele e os seus homens marcaram sítios para as suas futuras quintas, apercebendo-se ao mesmo tempo que a terra era rica em vida selvagem, peixe e aves. Quando voltou à Islândia, chamou a esta terra Gronelândia, por ser tão verde.
Em 988, Erik rumou novamente para aquela região, fazendo-se acompanhar de 25 barcos, dos quais apenas 14 chegaram ao destino. Fixaram-se em Austerbygol e em Parattanil, no Eriks fjord.
A partir da Gronelândia os Vikings exploraram e tentaram fixar-se na América do Norte (entre os séculos XI e XIV). A Erik, sucedeu-lhe o seu filho, Leif Eriksson, na colonização da América do Norte (Gronelândia incluída), recebendo o apoio do rei Olaf Tryggvgon. A primeira terra para onde se deslocaram estava coberta no seu interior por um glaciar, e tinha uma costa rochosa à qual Leif de Erik deu o nome de Hellulandof (provavelmente corresponde à ilha de Baffin).
A segunda terra era plana, com floresta e com praias de areia branca, à qual Leif deu o nome de Markland (terra da floresta), que se situa provavelmente na parte norte de Labrador. Daqui rumaram para norte onde viriam a encontrar uma região onde instalaram o seu acampamento de inverno. Quando Leif regressou à Gronelândia, na primavera seguinte, transportava uma carga completa de madeira e um barco cheio de uvas.
A expedição seguinte foi comandada por Thorvald, irmão de Leif. O seu grupo passou o inverno no acampamento construído por Leif, e explorou a costa ao longo de um ano. No verão seguinte, Thorvald navegou para este e depois para norte, onde descobriu povos nativos, que os Vikings atacaram e dizimaram quase na sua totalidade. Os homens de Thorvald regressaram à sua base de inverno, onde passaram outro inverno a recolher uvas e vinhas para transportar para a Gronelândia.
A terceira viagem à Vinlând (assim designada, ou "Terra das Vinhas) foi chefiada por Thorfin Karlsefni, e aí cortaram madeira para um carregamento e fizeram uso dos recursos naturais da região para a sua sobrevivência. No primeiro verão, os nativos deslocaram-se até ao acampamento para trocarem peles por armas, mas Thorfin Karlsefni não autorizou os seus homens a esta transação. Quando os nativos partiram, Karlsefni acrescentou uma paliçada em madeira à volta das casas.
A última viagem a que se faz menção na saga viking foi dirigida por Freydis, filha de Eric, o Vermelho. Esta viagem resultou em traições e no assassinato de Freydis, tendo os sobreviventes regressado à Gronelândia. Todavia, ainda terão havido tentativas de povoamento, nascendo mesmo aí uma ou outra criança, a primeira das quais se chamava Snorri.
Enquanto que a Vinlând estava quase perdida, os gronelandeses continuaram a visitar Labrador (Markland) em busca de madeira.
Como referenciar: Vikings na América in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-12-11 15:28:49]. Disponível na Internet: