Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros
< voltar
< 1 min

A Fome de Camões

Poema de Gomes Leal, que se inscreve na atmosfera de comemoração do terceiro centenário da morte de Camões, em 1880, e que remete intertextualmente para o poema Camões de Almeida Garrett, já no próprio título, já na temática do poeta incompreendido e da pátria decadente. Discorrendo amplamente sobre a maldição do "Génio", Gomes Leal exclama: "O Génio é um arcanjo refulgente / Que enrista a lança contra a escura Sorte, / (...) / Para o Vulgo, porém vil inclemente, / E o Destino, esse cego antigo e forte, / É um guerreiro trágico e proscrito, / E a fronte tem como um luar maldito...".
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – A Fome de Camões na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-09-26 01:06:29]. Disponível em

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros