Academia Virtual - O Poder da Voz

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Afonso Botelho

Escritor português, nasceu no ano de 1919, em Bencanta, Coimbra, e faleceu em 1996. Foi aluno de Leonardo Coimbra no liceu, já depois de encerrada a Faculdade de Letras do Porto, na qual este último foi diretor e professor. Licenciou-se em Ciências Histórico-Filosóficas na Faculdade de Letras de Lisboa em 1950, depois de ter frequentado as Faculdades de Direito de Coimbra e Lisboa. A sua obra abrange o ensaio filosófico e a ficção, havendo ao presente três obras inéditas neste último género: As Donas Chamam (novela), A Morte em Férias (contos) e Família Imaginária (contos).
Afonso Botelho pertenceu à escola de filosofia portuguesa que foi o movimento da "Renascença Portuguesa", onde participaram, entre muitos outros, Leonardo Coimbra e Teixeira de Pascoaes, seguidos, de algum modo, por Álvaro Ribeiro e José Marinho - estes últimos foram os mestres de Afonso Botelho.
Foi com base na doutrina de D. Duarte (sobre o qual realizou a sua dissertação para conclusão de licenciatura) e na de Teixeira de Pascoaes que se lançou no estudo do tema que mais o viria a interessar: a saudade.
Para Afonso Botelho a saudade é um sentimento que se caracteriza essencialmente como ausência e que culmina na sua forma mais radical: a morte. Para que a saudade não se confunda com uma simples ligação ao passado, Afonso Botelho esclareceu que o que a caracteriza essencialmente é a sua relação com o tempo, pois permite a sua anulação, implicando a reintegração deste na origem, na eternidade. Deste modo é anulada a partição do tempo em passado e futuro, através da faculdade eminentemente operativa que é a saudade. O homem é entendido como um ser que se sente e sabe separado da origem - Deus - e que, através desse mesmo sentimento, retorna, ou pode retornar, ao paraíso perdido.
A saudade é definida como sentimento, na medida em que o pensamento se situa não só na razão mas também no coração e é precisamente este sentimento que permite aos seres transcender os limites do tempo cronológico.
O primeiro movimento da saudade, nesta caminhada do tempo para o eterno, é o desejo, ao qual a lembrança, enquanto memória da origem ou primeira imagem, orienta para a sua completa reintegração em Deus. A saudade é, assim, entendida como forma dialética da relação do mesmo para o outro, do homem para Deus, que é, simultaneamente, movimento de Deus para o homem.
Afonso Botelho desenvolveu três teorias na sequência da sua reflexão sobre a saudade: a teoria do tempo, do amor e da morte.
Na sua teoria do tempo aprofundou essencialmente a noção de que a saudade permite a reintegração do tempo na eternidade de Deus, deixando de haver a distinção entre passado e futuro, já que, na sua relação com o eterno, eles se equivalem. Na teoria do amor desenvolveu a noção de mónada amorosa e a ideia de que "cada um dos amantes procura a essência do outro como mesmo" (A. Braz Teixeira, in Logos, Botelho, Afonso). Finalmente, na teoria da morte tratou a ideia de que a morte é a forma mais radical que a saudade assume, revelando o sentimento da ausência e, desse modo, extremando no ser a possibilidade ou, mais propriamente, a necessidade da sua reintegração no eterno. Deste modo, a morte surge aqui como princípio radical do conhecimento, pois surge como mistério.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Afonso Botelho na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-10-05 03:39:59]. Disponível em

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais