Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Afonso Dhlakama

Militar e político moçambicano nascido a 1 de janeiro de 1953, em Mangunda, na província de Sofala, em Moçambique.
Durante a Guerra Colonial, em Moçambique, Dhlakama foi soldado do exército português. Em 1974, após a Revolução do 25 de abril em Portugal e, consequentemente, o fim da guerra colonial, o jovem soldado ingressou no partido FRELIMO (Frente de Libertação de Moçambique). No entanto, pouco tempo depois abandonou o partido para se tornar, em 1976, um dos fundadores do movimento armado RNM (Resistência Nacional de Moçambique), apoiado pela Rodésia (atual Zimbabwe) e pela África do Sul. Em 1980 viria a ser eleito presidente deste movimento de oposição ao regime, designado mais tarde RENAMO. A guerra civil em Moçambique, que envolvia a FRELIMO (no Governo), e a RENAMO (na oposição), durou 16 anos, durante os quais Dhlakama se manteve a combater nas matas.
Em 1984 a RENAMO assinou um acordo de cessar-fogo com o governo mas, no ano seguinte, a guerrilha foi retomada.
Depois de, em 1990, o governo moçambicano ter adotado uma Constituição que instaurava o multipartidarismo, Dhlakama assinou um acordo de paz com o presidente do país, Joaquim Chissano (líder da FRELIMO), a 4 de outubro de 1992, em Roma, na Itália.
Em outubro de 1994, Dhlakama concorreu às primeiras eleições presidenciais de Moçambique, mas só obteve 33,7 % dos votos, contra 53,3 de Chissano. Nas eleições legislativas, a RENAMO também perdeu ao somar 37,7 % dos votos, contra os 44,3 da FRELIMO.
Em 1998 reuniu com Chissano para debater a situação no país.
Em dezembro de 1999 voltaram a realizar-se eleições presidenciais e de novo Dhlakama perdeu para Chissano. Desta vez a margem foi menor já que o líder da RENAMO somou 47,71 % e o da FRELIMO 52,29%.
Contudo, os perdedores contestaram a validade das eleições e, cerca de um ano depois, em novembro de 2000, houve violentas manifestações por todo o país, fomentadas pela RENAMO.
Dhlakama e Chissano reuniram antes do final do ano, mas logo no início de 2001, o líder da RENAMO reafirmou que não reconhecia o seu homólogo da FRELIMO como presidente da República de Moçambique. Acusou mesmo o governo de organizar massacres no norte do país. Entretanto, nunca deixou de pedir a recontagem dos votos das eleições legislativas e presidenciais de 1999.
A vitória da FRELIMO foi reforçada nas eleições seguintes, a 19 de novembro de 2003, quando a RENAMO perdeu novamente para a FRELIMO. Afonso Dhlakama solicitou, mais uma vez, ao Conselho Constitucional Moçambicano, a impugnação dos resultados, alegando irregularidades no processo eleitoral autárquico.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Afonso Dhlakama na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-05-20 14:43:51]. Disponível em

Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros