Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Afonso III

Peça de teatro de Ernesto Leal, de 1970. O primeiro ato passa-se numa taberna onde Afonso, conde de Bolonha, irmão do rei de Portugal, em França há dezassete anos, come e bebe com os amigos "em grande alegria e ruído". Depois de uma conversa com o bispo, que promete afastar o atual rei em troca de privilégios para os clérigos, decide voltar a Portugal e "inundar o país de dinheiro", "tornar o dinheiro acessível a todos". Os dois atos seguintes, correspondendo, respetivamente, à maturidade e declínio do reinado deste monarca, sobre o qual será lançada a excomunhão nos últimos anos de vida, evocam situações concretas da sua governação, recriadas de forma ora irónica ora anedótica. História irónica e fabulosa de um rei lusitano, Afonso III, nesta peça "a crítica de costumes alia-se à crítica moral, à facécia, ao ridículo, para nos oferecerem um curiosíssimo 'retrato português' reinventado e no qual a história burlesca do rei Afonso dá as mãos à história burlesca - e grotesca - dos atavismos, dos lugares-comuns, das credulidades (e singularidades) de todo um povo". (Da contracapa)
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Afonso III na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-11 08:39:44]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais