Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Agonia

Da autoria de Manuel Nascimento, publidado em 1954 e dedicado a Graciliano Ramos, este romance tem como protagonista um pintor que regressa à casa familiar para assistir à morte do pai, propiciando o espaço e o momento o alinhavar de memórias onde escalpeliza os sentimentos e as relações familiares. Narrado e escrito na primeira pessoa pelo protagonista, César Madeira, o texto constitui um "amontoado de frases sem nexo [...] ditado, do princípio ao fim, por uma pretensão, «a de largar a pele»": "Julguei no desabafo um bom processo de cura psíquica e como, por falso pudor, a ninguém seria capaz de fazer uma confissão, resolvi escrever. Depois rasgaria e queimaria tudo... Mas não foi assim" (da introdução, assinada por César Madeira). O título caracterizará quer o estertor físico do pai e a degradação moral do filho, quer, mais amplamente, a agonia da época situada entre as duas grandes guerras.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Agonia na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-14 02:03:31]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros