Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Alberto de Serpa

Poeta português, nascido a 12 de dezembro de 1906, no Porto, e falecido a 7 de outubro de 1992, na mesma cidade. Frequentou a Faculdade de Direito de Coimbra, tendo exercido atividades profissionais diversas, desde funções comerciais até agente de seguros. Vindo de A Águia e de Tríptico, Alberto de Serpa integra o grupo da revista Presença, de que foi secretário na segunda série, entre 1939 e 1940, e em cujas edições publicou os volumes de poesia 20 Poemas da Noite, Descrição e Varanda, os três datados de 1935. Vindo a secretariar a Revista de Portugal, Alberto de Serpa colaborou ainda em outras publicações periódicas que marcaram a poesia portuguesa nos decénios posteriores à Presença, como Cadernos de Poesia e Távola Redonda. Organizou, com José Régio, em 1957, a antologia da poesia de amor portuguesa, Alma Minha Gentil; dirigiu, com João Cabral de Melo Neto, O Cavalo de Todas as Cores, editado em 1954, em Barcelona; organizou e editou a correspondência de António Nobre a Justino de Montalvão, bem como os inéditos e dispersos de José Régio. Elo indispensável na ponte entre o primeiro e o segundo modernismos, para Fernando J. B. Martinho (Pessoa e a Moderna Poesia Portuguesa - do Orpheu a 1960 -, Lisboa, ICALP, 1983, pp. 67-69), Alberto de Serpa "foi um dos poetas do grupo [presencista] que mais sofreu os efeitos do abalo pessoano, especialmente o provocado pelos heterónimos Álvaro de Campos e Alberto Caeiro, com a ajuda dos quais procede a uma recuperação do versilibrismo em Descrição, lançado pelas edições "Presença" em 1935". Subvertendo, por um certo prosaísmo promovido a domínio poético e pela liberdade métrica, o panorama do lirismo tradicional nacional, para João Gaspar Simões (SIMÕES, João Gaspar - prefácio a A Poesia de Alberto de Serpa, s/l, Nova Renascença, 1981, p. 12), a poesia de Alberto de Serpa reconcilia a palavra poética com o real, preparando, por esse motivo, o caminho para a emergência do neorrealismo, de que se aproximará por um empenhamento explícito nos volumes poéticos produzidos no contexto da Segunda Guerra Mundial, como é o caso de Drama, de 1940. Numa fase final da sua evolução poética, Alberto de Serpa recuperou a expressão métrica versificada, transparecendo, aí também, a influência de Pessoa ortónimo. O seu espólio, depositado na Biblioteca Municipal do Porto, encontra-se ainda em grande parte inédito, reunindo documentos epistolares fundamentais para reconstruir eixos de reflexão estética estabelecidos entre autores de tendências aparentemente díspares, aproximados pela amizade.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Alberto de Serpa na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-05-24 20:22:00]. Disponível em
Artigos
ver+

Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais