Academia Virtual - O Poder da Voz

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Alfredo Cortez

Dramaturgo português, nasceu a 29 de julho de 1880, em Estremoz, e faleceu a 7 de abril de 1946, em Oliveira de Azeméis. Licenciado em Direito pela Universidade de Coimbra, exerceu sobretudo profissões jurídicas. Fixou-se em Angola em 1920, como diretor da Polícia de Investigação Criminal, regressando posteriormente a Lisboa. Revelou-se com Zilda, peça aplaudida em 1921 pelo meio teatral lisboeta, e ainda inserida na tradição dramática realista-naturalista, mas que anuncia como traço distintivo da sua dramaturgia o realismo doloroso e impiedoso que a publicação de Lodo confirmará. Duarte Ivo Cruz (CRUZ, Duarte Ivo - introdução a Teatro Completo, Lisboa, INCM, 1992) assinala na evolução literária do autor como etapas não linearmente sucessivas a passagem de um realismo violento à produção de cunho expressionista, cuja pedra de escândalo foi Gladiadores, à tentativa de uma série de peças de temática confessional, com Lourdes, O Ouro e Domus e, finalmente, à incursão por um regionalismo poético. Desenvolvida no período de entre as duas grandes guerras, perpassa toda a sua produção a "pintura da dissolução moral e social da burguesia possidente" (REBELLO, Luís Francisco - 100 Anos de Teatro Português (1880-1980), Porto, Brasília, 1984, p. 65), que não recusa um intuito pedagógico e crítico, mesmo em intrigas de base fatalista; a "ousadia dos temas e processos" (id. ib.); a evocação verosímil de ambientes, psicologias e condutas; o tom contundente e sub-repticiamente iconoclasta.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Alfredo Cortez na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-10-05 04:24:27]. Disponível em

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais