Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Aljustrel

Aspetos Geográficos
O concelho de Aljustrel, do distrito de Beja, localiza-se na região do Alentejo (NUT II) e Baixo Alentejo (NUT III), ocupa uma área de 458,4 km2 e abrange cinco freguesias: Aljustrel, Ervidel, Messejana, São João de Negrilhos e Rio de Moinhos.
O concelho encontra-se limitado a norte pelo concelho de Ferreira do Alentejo, a este por Beja, a sul por Castro Verde e Ourique e a oeste por Santiago de Cacém, no distrito de Setúbal.
Brasão do concelho de Aljustrel
Este concelho apresentava, em 2005, um total de 10 038 habitantes.
O natural ou habitante de Aljustrel denomina-se aljustrelense.
Possui um clima mediterrânico, com um período seco de cerca de 80 a 100 dias, durante o verão, em que a temperatura média varia entre os 28 °C e os 30 °C. No inverno, as temperaturas são relativamente baixas.
Da sua morfologia, destacam-se como áreas de maior altitude a de Bailique (207 m), monte do Cerro (187 m) e Fonte Coberta (242 m). O casario estende-se numa área de vale, com tendência a ocupar as encostas adjacentes.
Dos recursos hídricos, salientam-se a ribeira do Vale de Água, a ribeira de Água Azeda, a ribeira do Roxo e a albufeira do Roxo, de função hidroagrícola, inaugurada em 1968 e que mede cerca de 34 m de altura.
A área é conhecida pela exploração mineira de pirite cúprica, útil para o fabrico de ácido sulfúrico, pela extração de ferro.
História e Monumentos
As terras deste concelho, como o comprovam os dados arqueológicos, já conhecem ocupação desde a Pré-História.
Inserida na denominada "Faixa Piritosa Ibérica", Aljustrel foi, desde os tempos romanos, uma área de exploração de pirites atingindo o seu auge nos séculos I a. C. até IV d. C., tendo-se designado estas terras de Vipasca. Foram depois ocupadas pelos Árabes, cuja principal contribuição foi a toponímia "Aljustrel".
Estas terras foram reconquistadas por D. Sancho II aos mouros e doadas à Ordem de Sant'Iago em 1225.
Foi-lhe outorgado foral em 1252 por D. Afonso III e D. Manuel I concedeu-lhe novo foral, no ano de 1510.
A nível do património arquitetónico, destaca-se o santuário de Nossa Senhora do Castelo, a padroeira da vila. A ermida foi mandada construir por D. Paio Peres Correia, após a conquista do castelo, no reinado de D. Sancho II. Em 1510, este templo foi restaurado com traça manuelina e, mais tarde, foi revestido a azulejos moçárabes. Raramente se efetuam cerimónias religiosas, no entanto, o templo é muito visitado, realizando-se várias procissões, mas sem data fixa.
Destacam-se ainda a Igreja da Misericórdia, renascentista, a Igreja de Nossa Senhora da Assunção, que apresenta características das igrejas brasileiras da Baía e de Ouro Preto, e a Igreja de S. Salvador, a Igreja Matriz e um dos maiores templos portugueses de uma só nave construída no século XV.
Tradições, Lendas e Curiosidades
As manifestações populares e culturais do concelho são numerosas, sendo de destacar as festas dos Santos Populares, realizadas em junho, as festas do verão, em julho e agosto, a festa do Baile da Pinha, na Páscoa, a Feira de Santo António, que decorre no segundo fim de semana de junho, e a Feira Nova, no quarto fim de semana de outubro.
No artesanato realce para as miniaturas de alfaias agrícolas e mineiras, objetos em madeira e cortiça, olaria ornamental, pintura em porcelana, azulejos, tapetes de Arraiolos, rendas de bilros e trabalhos em estanho e latão.
No aspeto cultural, referência para o Museu da Mina, que possui um valioso espólio arqueológico.
Conta uma lenda que a pedra de construção original que ainda existe na Ermida de Nossa Senhora do Castelo transmite o som do mar e, que se ela dali for retirada o oceano alagará a vila.
Economia
No concelho predominam as atividades relacionadas com o setor primário, seguidas do setor secundário com a indústria ligada à exploração mineira, à indústria de alumínios, à serralharia, à carpintaria, à construção civil, à indústria tipográfica e à serigrafia. O setor menos significativo na economia concelhia é o setor terciário.
A agricultura regista ainda um grande peso na economia, facto comprovado pela significativa percentagem de área agrícola, cerca de 64,1% da área do concelho, destacando-se os cultivos de cereais para grão, prados temporários e culturas forrageiras, culturas industriais, pousio, olival, prados e pastagens permanentes.
A pecuária tem também alguma importância, nomeadamente na criação de ovinos, bovinos e suínos.
Cerca de 2023 ha do seu território correspondem a área coberta de floresta.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Aljustrel na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-07-04 06:49:59]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros