Livros & Autores

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Alma Nova

Terceira coletânea de poesias de Guilherme de Azevedo, dedicada a Antero de Quental, publicada em 1874. As composições aqui reunidas demonstram bem a transição definitiva, bem descrita pelo crítico Cândido de Figueiredo, do sentimentalismo romântico para a poesia de combate: "a poesia social, armada do gládio de Tarquínio, entra no jardim das primaveras românticas e decepa as flores mais cândidas do coração do poeta". Definindo circularmente a Poesia, na primeira e na última composições do livro, como irmã da "Justiça", voz da "Verdade" e dos "novos ideais", Guilherme de Azevedo celebra as "máquinas febris", motores do progresso, "o conúbio ardente / do Génio e do Trabalho", a ciência, a civilização e sobretudo a Humanidade: atente-se na extensa composição "As vítimas", onde se arrastam em "procissão" as variadas "vítimas da sorte e vítimas do mundo", que não são mais do que os socialmente oprimidos (prostitutas, mendigos, costureiras, soldados, mineiros...); veja-se igualmente a poesia "A hidra", onde se anuncia a vingança da "Ideia" contra "os Papas" e "os Reis".
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Alma Nova na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-06-25 20:47:51]. Disponível em

Livros & Autores

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais