Academia Virtual - O Poder da Voz

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Alvoradas

Coletânea de poesias, da autoria de Alexandre Conceição e publicada em 1866, dedicada ao pai do autor. Na composição inicial, "Em vez de prólogo", o autor evoca a contemporânea "luta fecunda dos espíritos,/ que tem por vasta arena a imprensa - um mundo -/ e por meta o ideal", disponibilizando-se a enfileirar "nesta cruzada santa do progresso": "Ó grande humanidade, ó grande Prometeu,/ Por quem anda lutando a terra com o céu!/ E és tu o Gama audaz da Ilíada da história/ Que tens presas ao carro as águias da vitória!" ("Sombras", da segunda edição). Com a vertente de romantismo social, de aspirações humanitárias e democráticas, inspirado em Vítor Hugo, coexiste a temática amorosa, "a cousa santa entre as mais santas" ("Adormecida", "Santelmo"), por vezes vazada em metros tradicionais ("Sonhos", "O rouxinol", "", "Pejo"). Entre poesias dedicadas a Custódio José Duarte, Ramalho Ortigão, Pedro de Lima, Dias de Oliveira, Querubino Lagoa, Guilherme Braga, Ernesto Pinto de Almeida e Nogueira Lima - todos eles poetas de A Grinalda - afloram as ideias anticlericais do autor, manifestas na rejeição da autoridade eclesiástica ("Excomungado"), a que se substitui uma religiosidade radicada na figura de Cristo ("Ave Christe!", "Riligio", "No túmulo de uma criança"), imagem do "Deus-bondade" e não do "Deus-rancor", onde se podem notar influências de Chateaubriand.
A posição antimonárquica de Alexandre da Conceição revela-se em composições como "Ao rei", e, na segunda edição, "8 de julho de 1872".A segunda edição revista e ampliada (Porto, 1875) inclui novos poemas, entre os quais o célebre "Orquestra", antecipador do simbolismo no uso do verso alexandrino, nas metáforas sensoriais ("O violoncelo muge, e em sustos o flautim/ Agarra-se a chorar em gritos ao clarim") e nas sinestesias ("Nos violinos passa um zéfiro de sons/ Por sobre tudo uma harpa estende um véu de tons"; "De quando em quando a flauta em límpida volata/ Enrola em torno ao canto uma espiral de prata").
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Alvoradas na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-09-30 16:17:33]. Disponível em

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais