Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Amarna

Esta cidade egípcia, situada nas margens do Nilo, a Sul do Cairo e também denominada Et Til el-Amarna, Tell el-Amarna, el-Amarna e Aketaton, foi a capital do Egito durante a única época em que esta civilização praticou um culto predominantemente monoteísta: aproximadamente entre os anos de 1352 e 1336 a. C., durante a XVIII dinastia. Este período coincidiu com o reinado de Amenhotep IV (1352-1336 a. C.), que instaurou um culto essencialmente centrado no deus supremo Aton (o Sol) e, como consequência, mudou o nome para Akenaton (que significa "Horizonte de Aton"). Criada de raiz no sexto ano do reinado do faraó, que recebera inspiração divina, Amarna concentrou os poderes administrativos e religiosos, chegando a contar com 50 000 habitantes, e foram edificados templos, palácios (entre os quais se destacou o de Nefertiti - rainha e esposa de Akenaton -, chamado também Kasr Nefertiti), silos, jardins, casas em tijolo e necrópoles, tendo tudo isto sido abandonado no final do reinado de Akenaton, considerado herético. A parte civil da cidade encontra-se dividida em três zonas: cidade norte, subúrbio norte e subúrbio sul. O edifício mais importante da cidade era naturalmente o Grande Templo de Aton, hoje parcialmente sob a necrópole de El-Till, havendo um outro dedicado também a este deus mas chamado o Pequeno Templo de Aton. Uma vez que o culto principal se dirigia ao Sol, os templos não seguiam a configuração comum mas abriam-se para o Céu. A arte em Amarna foi igualmente revestida de um carácter de exceção, conferindo maior realismo às feições e alongando os corpos e crânios, como se pode observar em algumas estelas remanescentes.
Perto de Amarna situa-se, entre outros, o Túmulo Real de Akenaton, num vale no Wadi Real, com uma parte inacabada que seria presumivelmente destinada à sua mulher, Nefertiti. Entre os anos de 1798 e 1799 foi efetuado um mapa da cidade pela expedição napoleónica que estudou as ruínas de Amarna, e em 1887 foram descobertas as conhecidas Cartas de Amarna, 382 placas de gesso que continham em escrita cuneiforme a correspondência diplomática internacional do reinado de Akenaton. A cabeça de Nefertiti, hoje no Museu Egípcio de Berlim, foi apenas descoberta em 1912, pela Sociedade Oriental Alemã.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Amarna na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-07-04 00:01:06]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais