Livros & Autores

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Andrzej Wajda

Realizador polaco, Andrzej Wajda nasceu no dia 6 de março de 1926, em Suwalki. Aos 14 anos, pouco após a ocupação da Polónia pelas tropas nazis, juntou-se à Resistência. Findo o conflito, partiu para Lodz para estudar pintura e, em 1946, matriculou-se numa Escola de Cinema na mesma cidade. Durante três anos, foi assistente de realização do veterano Aleksander Ford, até que se aventurou ele próprio na direção de filmes, estreando-se com Zly Chlopiec (1950). O filme passou despercebido, mas os críticos polacos concluíram que Wajda se iria afirmar brevemente. Em Pokolenie (1955), passou para a fita as suas memórias na Resistência polaca. Mas o filme que abriu a Wajda as portas para a divulgação internacional foi Kanal (Canal, 1957), em que abordou as últimas horas da revolta de Varsóvia, ocorrida em 1944, e os conflitos internos no seio da Resistência. A corajosa abordagem do realizador, que pretendeu criar um clima de desmistificação da guerra, fazendo uma crítica anacrónica ao regime estalinista, surpreendeu positivamente o público do Festival de Cannes, tendo vencido o Prémio Especial do Júri. Contudo, o sucesso do filme incomodou a Polónia comunista, tornando Wajda persona non grata aos olhos das altas esferas do poder. Tal clivagem acentuou-se com a fita seguinte do diretor: Popiól i Diament (Cinzas e Diamantes, 1958), onde Wajda projetou no seu alter-ego (o ator Zbigniew Cybulski) a imagem de jovem revoltado, militar do exército que assiste à libertação da Polónia das garras nazis, para ser envolvido numa luta interna entre os novos comandantes comunistas e os oficiais da velha guarda. Wajda continuou a condenar a guerra em filmes como Lotna (1959) e Krajobraz po Bitwie (1970). Depois de realizar uma série de filmes para televisão e de ter feito um curto estágio na Universidade de Yale, em 1974, Wajda filmou um drama histórico: Ziemia Obiecana (Terra Prometida, 1974), baseado na obra de Wladyslaw Reymont, procurando com este filme fazer uma alegoria ao capitalismo, filmando a evolução urbana de Lodz. O filme foi galardoado com o prémio máximo do Festival de Moscovo. Wajda enveredou, então, por um projeto pessoal: um filme sobre um trabalhador nos anos 50 do século passado e que foi uma crítica acérrima ao aparelho de propaganda de Estaline. O filme, apesar de aclamado nos galarins internacionais, foi muito mal recebido no seu país natal. Refugiou-se em França, e foi graças a fundos franceses que Wajda pôde continuar a filmar: Panny z Wilka (1979), Dyrygent (1979), onde dirigiu John Gielgud e Czlowiek z Zelaza (O Homem de Ferro, 1981) com o qual venceu a Palma de Ouro do Festival de Cannes. Depois de ter realizado Danton (1982), onde Gérard Depardieu encarnou o herói da Revolução Francesa, Wajda regressou à Polónia para filmar uma história de amor entre adolescentes: Kronika Wypadków Milosnych (1986). Como corolário da sua carreira, Wajda foi galardoado com um Óscar Honorário em 2000.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Andrzej Wajda na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-06-28 19:06:40]. Disponível em

Livros & Autores

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais