Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Annie Besant

Teósofa, ativista e escritora inglesa, Annie Wood Besant nasceu em 1847, em Clapham, em Londres, na Grã-Bretanha.
Órfã de pai aos 5 anos, casou-se aos 19 anos com Frank Besant, vigário em Lincolnshire, com o qual teve dois filhos. Em 1873, em resultado do seu espírito independente, que colidia com a visão tradicional do marido, e da crescente dúvida sobre a sua crença religiosa, o casal divorciou-se legalmente e Annie Besant estabeleceu-se, em Londres, com a filha.
Rejeitando completamente o Cristianismo, aderiu à Sociedade Secular, em 1874. Aí, conheceu Charles Bradlaugh, editor da revista radical National Reforme e livre-pensador do movimento secular na Grã-Bretanha, e com o qual colaborou, escrevendo para aquela revista artigos sobre o casamento e os direitos das mulheres. Em 1877, Annie Besant e Charles Bradlaugh reeditaram um antigo folheto, The Fruits of Philosophy, no qual se defendia o planeamento familiar. Em consequência disso, foram acusados de corromper e de depravar as mentalidades, sendo, por isso, obrigados a cumprir uma pena de 6 meses de prisão, no entanto, a sentença foi revogada pelo Tribunal de Segunda Instância. Pouco tempo depois, Besant publicou o seu próprio livro sobre planeamento familiar, The Laws of Population. Esta obra provocou uma enorme polémica, tendo o jornal The Times acusado Besant de escrever um livro indecente e obsceno e o ex-marido de Annie Besant, aproveitando-se da ocasião, tentou persuadir os tribunais de que ele deveria ficar com a custódia da filha.
Annie Besant, teósofa, ativista e escritora inglesa
Durante a década de 1880, continuou o seu ativismo, escrevendo e falando sobre os salários baixos e as condições insalubres das industrias que afetavam as jovens trabalhadoras. Depois de conhecer a espiritualista Blavatsky, que tinha fundado a Sociedade Teosófica, em 1875, Annie Besant converteu-se à Teosofia, em 1887. Em 1907, Besant foi presidente daquela Sociedade, ocupando o cargo até à data da sua morte.
Pouco depois de aderir à Sociedade Teosófica, estabeleceu-se na Índia, onde viveu até ao fim da sua vida. Aí, estudou a filosofia dos hindus e os conceitos que nela se integram, como karma, reincarnação, nirvana, entre outros. Criou a Universidade Central Hindu, em Benares (1889), e organizou a Indian Home Rule League da qual se tornou presidente em 1916. No ano seguinte, foi eleita presidente do Congresso Nacional da Índia e secretária-geral da Convenção Nacional da Índia, em 1923.
No final dos anos 20, a ativista trabalhou em Inglaterra e nos Estados Unidos com o seu protegido Jiddu Krishnamurti, que Besant considerava ser o novo Messias e a incarnação de Buda. No entanto, Krishnamurti rejeitou essas afirmações, em 1929.
Das obras publicadas da teósofa destacam-se Reincarnation (1892), The Basis of Morality (1915), A World Religion (1916) e India, Bond or Free? (1926).
Annie Besant faleceu em 1933, em Madras, na Índia.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Annie Besant na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-15 23:53:44]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros