Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

António Feliciano de Castilho

Escritor português, nasceu a 28 de janeiro de 1800, em Lisboa, e morreu a 18 de novembro de 1875. Foi precoce no seu talento poético e parte do seu êxito deve-o ao irmão. Escreveu o seu primeiro poema aos 16 anos e pertenceu cronologicamente à geração de Almeida Garrett e Alexandre Herculano.
Formado nos modelos neoclássicos e arcádicos, combinados desde a juventude com o pré-romântico Gessner e posteriormente com o romântico Lammenais, Castilho só circunstancialmente aderiu ao Romantismo, permanecendo um clássico, ou, nas palavras de Teófilo Braga, um "árcade póstumo". Filho de um lente de Coimbra e cego aos seis anos, conseguiu, mercê de uma memória prodigiosa, receber a educação clássica que lhe foi ministrada e ensaiar as primeiras composições poéticas ainda durante a infância. Em 1821, conclui o curso de Direito Canónico na Universidade de Coimbra. Datam dessa altura as suas primeiras aventuras literárias, expressas na fundação da "Sociedade dos Poetas Amigos da primavera" e na publicação das primeiras obras: Cartas de Eco e Narciso e A primavera. Terminado o curso, instalou-se em casa de um irmão padre em Castanheira do Vouga, ao pé da serra do Caramulo, dedicando-se à poesia (composições que darão origem, em 1828, ao volume Amor e Melancolia) e à tradução de poetas latinos. Finalmente, em Lisboa, criou em 1835 a Sociedade dos Amigos das Letras. Em 1836, numa adesão temporária aos modelos românticos, publicou os poemas A Noite do Castelo e os Ciúmes do Bardo, exemplos de um romantismo noturno e medievalizante, que terão repercussão sobre o gosto dos nossos poetas. No mesmo ano, traduziu as Palavras de um Crente, de Lammenais. Em 1841, fundou a Revista Universal Lisbonense, um dos periódicos mais influentes do Romantismo português, cuja direção viria a abandonar em 1845. Dos muitos artigos e recensões que Castilho deixará dispersos pela Revista, o Jornal da Sociedade dos Amigos das Letras, a Semana e outros periódicos em que colaborou, a maior parte será recolhida postumamente nos volumes de Telas Literárias, Vivos e Mortos e Casos do Meu Tempo. Em 1846, milita no Partido Cartista. Entre 1847 e 1850, depois de uma série de dissabores particulares e políticos, retira-se para Ponta Delgada, onde se dedica à defesa das que serão as suas grandes causas: a exaltação da atividade agrícola (veja-se Felicidade pela Agricultura, 1849) e a difusão da instrução primária (veja-se Felicidade pela Instrução). Regressado a Lisboa em 1850, iniciou a defesa do seu polémico Método de Leitura Repentina, que o levará a promovê-lo pessoalmente no Brasil e a intervir contra os que o criticavam com folhetos, e três anos depois foi nomeado comissário da Instrução Primária. Em 1865, numa altura em que, após a morte de Garrett e o retiro de Herculano, é o único representante vivo da primeira geração romântica e se torna uma espécie de patrono dos jovens poetas, publica a famosa "Carta ao Editor" no Poema da Mocidade de Pinheiro Chagas, texto que desencadearia a célebre Questão Coimbrã. Nos últimos anos, dedicou-se à tradução de clássicos (Ovídio, Anacreonte, Virgílio) e modernos (Molière, Goethe, Shakespeare). Em 1872, a sua tradução do Fausto de Goethe originaria uma nova polémica literária, a última em que se viu envolvido.
A solidão da serra do Caramulo foi uma das inspirações para a poesia de Feliciano de Castilho
Feliciano de Castilho (1800-1875), autor de imensa bibliografia e homem de diversas polémicas
António Feliciano de Castilho
Retrato de Feliciano de Castilho, por Miguel Lupi
António Feliciano de Castilho refugiou-se na ilha açoriana de S. Miguel durante a crise do cabralismo
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – António Feliciano de Castilho na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-07-01 23:24:59]. Disponível em
Artigos
ver+

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros