Livros & Autores

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

António Fonseca

Poeta, escritor e ensaísta angolano, António Fonseca nasceu a 9 de julho de 1956, na região do Ambriz, Angola.
Licenciou-se em Economia pela Universidade Agostinho Neto e fez um mestrado em estudos especializados de Políticas Culturais e Ação Artística Internacional pela Faculdade de Direito e Ciências Políticas da Universidade de Bourgogne, em França.
Frequentou o curso de "Formação Internacional Cultura" na área de Conceção, Decisão e Gestão Culturais.
Com esta especialização, procurou orientar a sua atividade profissional nesta área, tendo vindo a desempenhar cargos de direção em empresas e instituições vocacionadas para a atividade cultural, tais como o Instituto Nacional do Livro e do Disco e na Empresa Nacional do Disco e Publicações.
Faz animação radiofónica, sendo, desde há mais de vinte anos, o responsável pelo programa de rádio "Antologia" cujo objetivo nuclear é o de impedir o desaparecimento e a morte da tradição oral, nomeadamente a literatura.
É cofundador da Brigada Jovem de Literatura de Luanda (BJLL) e da União de Escritores Angolanos (UEA).
Poeta da denominada "Geração das Incertezas", a sua poesia, como a de outros nomes desta novíssima geração, pauta-se pela presença sistemática de um "eu lírico" desiludido e angustiado com a realidade de penúria social vivida no seu país. Vivenciando a fome, a miséria, a corrupção e a repressão, este sujeito poético, que aprendeu a confiar nos ideais e nos valores da revolução veiculados pelas gerações anteriores, olha, agora, o futuro como um túnel apagado e abafado onde não consegue respirar: "As árvores sem seiva/nem folhas/e flores/serão/só/silêncio.(...)".
Este túnel, espaço e tempo psicológicos da melancolia e da frustração, metaforiza-se, no texto poético, através das águas marinhas que, numa posição dual, surgem simultaneamente como o espaço sepulcral da morte dos ideais e o espaço de vida capaz de revelar os cultos africanos.
A sua poesia, como a grande parte dos textos poéticos angolanos seus contemporâneos, surge como o espaço privilegiado e possível da atitude crítica e do larvar da imaginação.
São de António Fonseca as seguintes obras: Raízes (1982); Sobre os Kikongos de Angola (1985) - ensaio; Poemas de Raíz e Voz (1985) - poesia; Crónica de um tempo de silêncio (1988) - contos; e Contribuição ao estudo da literatura oral angolana (1996) - ensaio.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – António Fonseca na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-06-29 05:29:46]. Disponível em

Livros & Autores

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais