Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

António Xavier Correia Barreto

Militar, político e reformador português, António Xavier Correia Barreto, nasceu a 5 de fevereiro de 1853, em Lisboa.
Integrou voluntariamente, aos 17 anos, o Regime de Infantaria n.º 16, tendo permanecido como soldado entre 1870 e 1874, data em que foi promovido a alferes-aluno da Arma de Artilharia, passando, mais tarde, para o Regimento de Artilharia n.º 1. Foi promovido progressivamente até atingir o posto de general, em 1914. Nesse período de tempo, prosseguiu os estudos na Escola Politécnica, sendo aluno de António Augusto de Aguiar, a quem dedicou o seu manual de Química, Elementos de Química Moderna (1874). Depois pediu transferência para a Escola do Exército, por forma a concluir o Curso da Arma de Artilharia.
Como capitão, ficou encarregado de criar munições com pólvora, sem produção de fumo. O resultado foi bastante razoável, ficando a pólvora conhecida por "pólvora Barreto". Em seguida, foi criada uma fábrica de pólvora, da qual se tornou diretor e depois foi designado para o Conselho de Administração Militar e para o Depósito Central de Fardamentos. António Xavier Correia Barreto desenvolveu, ainda, um importante papel na educação e instrução da reforma das Forças Armadas de 1911. Para isso, criou as Escolas de Regimento ou de Corpo (escolas primárias em todos os Regimentos), criou meios de instruir recrutas e cidadãos, em reserva, e criou o Instituto Profissional dos Pupilos do Exército, vocacionado para o ensino profissional.
Como político, António Xavier Correia Barreto, que era conhecido pelas suas ideias republicanas, foi convidado pelo almirante Cândido dos Reis para a comissão organizadora da revolução de 1910. Após a revolução, foi nomeado ministro de Guerra, cargo que exerceu entre 1910 e 1911, entre 1912 e 1913 e em 1922. Para além disso, foi presidente da Câmara Municipal de Lisboa, em 1913, ocupou o cargo de senador, entre 1915 e 1926, e candidatou-se à Presidência da República, em 1915 e em 1919.
António Xavier Correia Barreto faleceu a 15 de agosto de 1939, em Lisboa.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – António Xavier Correia Barreto na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-09-25 11:21:41]. Disponível em

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais