Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Arthur Duarte

Ator e realizador português, Arthur de Jesus Pinto Pacheco Duarte nasceu a 17 de outubro de 1895, em Lisboa, e faleceu em 22 de agosto de 1982, nessa mesma cidade. Frequentou o Conservatório Nacional, iniciando-se como ator de teatro, em 1918, na Companhia Rosas & Brasão. Em 1921, contactou pela primeira vez com o cinema, participando, como ator, em A Morgadinha de Vale Flor, de Ernesto de Albuquerque. Participou também em filmes como O Primo Basílio (1923), de George Pallu, e As Pupilas do Senhor Reitor (1924), de Maurice Mariaud. Em 1924, partiu para Paris, onde continuou a trabalhar como ator. Em 1927, foi para a Alemanha, assinando um contrato com a UFA, na sequência do qual participou em dezenas de filmes, entre os quais Asphalt (1929), Ludwig der Zweite, König Von Bayern (1929) e Kolonne X (1929). A chegada do cinema sonoro abalou a sua carreira alemã, obrigando-o a ser assistente de realização em vários filmes em que também participou como ator, começando, então, a aprender a técnica da cinematografia. Em 1934, regressou ao cinema português, através da participação em Gado Bravo, de António Lopes Ribeiro, e também em Bocage, de Leitão de Barros, dois anos depois. Em 1937, foi diretor de produção de A Rosa do Adro, de Eduardo Chianca de Garcia e, no ano seguinte, realizou a sua primeira longa-metragem, Os Fidalgos da Casa Mourisca. Em 1941, trabalhou de novo como ator em O Pai Tirano, de António Lopes Ribeiro, no papel de Arthur, o rival de Chico (Ribeirinho) na luta pelas atenções de Tatão (Leonor Maia). Em 1943, rodou a sua primeira comédia, O Costa do Castelo, para a Tóbis Portuguesa, protagonizada por António Silva, Maria Matos, Milú e Fernando Curado Ribeiro. Durante os anos 40 e 50, dirigiu dez filmes de longa-metragem, alguns dos quais em coprodução com Espanha, como Es Peligroso Asomarse Al Exterior (É Perigoso Debruçar-se, 1946), El Huésped Del Cuarto Número 13 (O Hóspede do Quarto Treze, 1947) e Nubes de Verano (Parabéns, Senhor Vicente, 1955). Na década de 60, a sua atividade cinematográfica diminuiu, apesar de ter realizado duas longas-metragens e de ter trabalhado como diretor técnico e ator, tendo rodado no Brasil, ao lado de Raul Solnado, Aventuras de um Detetive Português (1975). Em 1979, recebeu subsídio do Instituto Português de Cinema para realizar aquela que seria a sua 15.a longa-metragem, Recompensa. Outras obras relevantes da sua filmografia são A Menina da Rádio (1943), O Grande Elias (1950), O Noivo das Caldas (1956), Dois Dias no Paraíso (1957) e Encontro com a Vida (1960).
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Arthur Duarte na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-07-04 06:31:17]. Disponível em
Artigos
ver+

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros