Academia Virtual - O Poder da Voz

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Artur Ramos

Encenador e realizador português nascido no ano de 1926, na cidade de Lisboa, e falecido a 9 de janeiro de 2006, em Lisboa.
Licenciado em Filologia Germânica pela Faculdade de Letras da Universidade Clássica de Lisboa, enquanto viveu em Paris recebeu uma bolsa do governo francês para estudar no Instituto de Altos Estudos Cinematográficos (IDHEC).
Foi o primeiro realizador da RTP, tendo sido convidado para dirigir as emissões experimentais feitas a partir da antiga Feira Popular de Lisboa, em Palhavã. Trabalhou na RTP durante 41 anos. Encenou para o pequeno ecrã diversas peças de autores como Molière, Tchekov, Oscar Wilde, Bernard Shaw, Gil Vicente, Sttau Monteiro, Mário de Carvalho, entre outros. Ainda para a televisão, realizou séries como Retalhos da Vida de um Médico e Resposta a Matilde, ambos adaptações de livros de Fernando Namora; Esta Noite Sonhei com Bruegel, de Fernanda Botelho, e Um Amor Feliz, de David Mourão-Ferreira.
Em 1961, ainda em França, estreou-se como realizador de cinema com a curta-metragem a preto e branco Avant le Petit Déjeuner e, no ano seguinte, faz L'Anglaise. Em 1963, realiza já em Portugal a longa-metragem Pássaros de Asas Cortadas, também a preto e branco, um drama adaptado da peça de teatro de Luiz Francisco Rebello, com diálogos de Luís Sttau Monteiro e Alexandre O'Neill, com Luísa Amran, Paulo Renato, Ruy de Carvalho, Leónia Mendes e Morais e Castro. Trata-se de uma crítica social à alta sociedade burguesa no final dos anos 50, com denúncia às suas corrupções e preconceitos. O filme estreou em Portugal em março do mesmo ano, mas foi objeto de muitos cortes da censura existente na época.
Voltou a experimentar a realização na Sétima Arte em 1985 com o filme A Noite e a Madrugada.
No teatro, encenou obras de vários autores para a Companhia Amélia Rey Colaço e outros teatros, como é o caso de Trilogia das Barcas, de Gil Vicente; A Importância de se Chamar Ernesto, de Oscar Wilde; e Baton, de Alfredo Cortez.
Fundou o Grupo de Ação Teatral e a Companhia do Teatro Maria Matos. Foi também crítico de teatro da "Seara Nova" e professor da Escola de Teatro e Cinema no Conservatório Nacional.
Para os Artistas Unidos, encenou em 2002 a peça A Coleção, de Harold Pinter, no Centro Cultural de Belém.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Artur Ramos na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-10-04 10:58:57]. Disponível em
Artigos
ver+
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Artur Ramos na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-10-04 10:58:57]. Disponível em

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais