Academia Virtual - O Poder da Voz

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Arvo Pärt

Compositor estónio, nascido em Paide, a 11 de setembro de 1935. Cresceu em Tallinn e, em 1954, iniciou os seus estudos musicais na Escola de Música de Tallinn, só interrompidos durante um ano para cumprir o serviço militar. De 1958 a 1967 foi diretor de gravação e compositor de bandas sonoras para a Rádio Estónia. Durante este período, estudou composição sob a tutela de Heino Eller no Conservatório de Tallinn, formando-se em 1963.
Os seus primeiros trabalhos, compostos enquanto estudante, demonstram a influência de compositores neoclássicos russos, tais como Shostakovich e Prokofiev.
A sua primeira obra orquestral, Necrolog (1960), foi a primeira composição numa nova fase experimental, usando o método dodecafónico de Schoenberg. Deste período são também a cantata Meie aed (Our Garden) e o oratório Maailma samm (Stride of the World), galardoados com o primeiro prémio da All-Union Young Composers, em Moscovo, no ano de 1962.
A sua obra (proibida) de 1963, Symphony Nº1 (polifónica), foi dedicada ao seu mestre, professor Eller, e é notável por uma estrutura de 12 tons relativamente limpa, um serialismo íntegro e algumas incursões no sonorismo, um conceito estético musical contemporâneo, também designado por "poesia sonora" ou "música matérica", com recurso à eletroacústica e ao microtonalismo.
À técnica que inventou, e à qual permaneceu sempre fiel, sem exceção, chamou "tintinnabuli" (do latim, pequenos sinos). O seu princípio básico é a composição de duas vozes como uma só linha: uma voz "move-se lentamente", primeiro subindo, depois descendo, ao passo que a outra entoa as notas da tríade.
À medida que a música de Pärt começou a chegar ao Ocidente e a sua luta contra o sistema soviético se intensificava, a sua frustração também aumentava, levando-o a emigrar com a sua mulher e seus dois filhos.
Os planos iniciais tinham Israel como destino, mas, com a ajuda do seu editor ocidental, conseguiu estabelecer-se em Viena, onde conseguiu a nacionalidade austríaca. Um ano depois mudou-se para Berlim Ocidental como bolseiro do German Academic Exchange, onde passou a viver.
Desde que deixou a Estónia, Pärt dedicou-se ao estudo de textos religiosos para as suas futuras composições, das quais se destacam St. John Passion (1982), Te Deum (1984-86, rev. 1993) e Litany (1994). Composições para coro SATB (soprano, alto, tenor, baixo) como Magnificat (1989) e The Beatitudes (1990) provaram a sua popularidade no meio musical entre coros de todo o mundo.
Posteriormente, a editora ECM editou as primeiras gravações de Pärt fora do bloco soviético, entre as quais, Paul Hillier's Hilliard Ensemble (mais tarde Theatre of Voices) que interpretou várias composições vocais, e Neeme Jarvi, um colaborador de longa data de Pärt, que conduziu a estreia da composição Credo em Tallinn, no ano de 1968, e gravou várias composições "tintinnabuli", apresentando as primeiras composições de Pärt.
Arvo Pärt foi distinguido em 1996 com a eleição para a Academia Americana de Artes e Letras.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Arvo Pärt na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-10-03 01:52:23]. Disponível em

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais