Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Batman

Banda Desenhada
Bill Finger (argumento) e Bob Kane (desenho) criaram um dos mais célebres Comics (BD nos EUA) de todos os tempos - Batman - que surgiu na revista Detective Comics n.º 27, de maio de 1939.
Para a sua criação, Bill Finger inspirou-se no filme The Bat Whispers (1926), de Marta Roberts Reinhart's, e também no célebre Zorro, outro justiceiro mascarado. Bob Kane desenhou pela primeira vez a personagem quando tinha apenas 19 anos.
Capa de "Batman", uma edição em banda desenhada da Editora abril Morumbi, Lda., 1991
Bruce Wayne é um jovem milionário, filantropo, oriundo de uma conceituada família de Gotham City. Embora rico e famoso, tem uma história trágica que lhe marcou a infância: quando era pequeno presenciou o assassinato dos seus pais, e cresceu com a ideia de derrotar todos os delinquentes que atemorizam a sua cidade, tendo jurado dedicar-se ao combate ao crime. De dia é um respeitável cidadão de aspeto e personalidade frágil; à noite transforma-se em Batman, o Homem-Morcego, que aterroriza todos os criminosos, pelo que é um genuíno justiceiro da noite.
Gotham City é uma metrópole imaginária, que corresponde a uma grande cidade estado-unidense onde predominam edifícios de inspiração gótica, marcada por uma atmosfera soturna. Para conceber Gotham City, Bob Kane inspirou-se em New Jersey, onde trabalhava na época.
Este ambiente marca, em definitivo, toda a série, por contraponto a outros justiceiros "mascarados" como Super-Homem ou Homem-Aranha, que atuam predominantemente de dia e têm as cidades de Metrópolis e de Nova Iorque como cenário.
Ao contrário de outros heróis de excêntricas vestimentas, não é invulnerável nem tem verdadeiramente nenhum poder excecional, valendo-se da sua inteligência (ele próprio cria os seus múltiplos adereços) e de uma boa constituição física. Deste modo, quando tem um combate mais intenso, mesmo utilizando a famosa Bat-corda ou um sempre necessário colete à prova de bala, as mazelas podem ser profundas, pelo que tem necessidade de ficar em repouso na sua mansão, até recuperar completamente. Outro dos seus adereços mais famosos a merecer destaque, é o inevitável Bat-móvel. Com uma carroçaria verdadeiramente arrojada e blindada, possui um potente motor que permite a Batman chegar rapidamente a qualquer ponto de Gotham City. Como todo o restante equipamento, quando não está em ação, fica guardado na Bat-caverna, o refúgio secreto, localizado nas catacumbas da mansão Wayne.
A implacável luta que trava contra o mal é personalizada numa galeria de vilões que ficou famosa na história da banda desenhada e, por arrasto, do cinema: Joker, Pinguim, Catwoman, Two Face, Enigma, Mr. Freeze, Poison Ivy, entre outras bizarras e coloridas personagens.
É um justiceiro que nem sempre atua isoladamente, podendo também contar com o apoio de Robin, que o acompanha em múltiplas aventuras, mas também do seu fiel mordomo Alfred Pennyworth, que atua na retaguarda, na mansão Wayne, sendo ambos as poucas pessoas que lhe conhecem a dupla identidade. Mais tarde, a série também passou a incluir a Batgirl e a Batwoman.
Outros autores que têm continuado esta saga da BD são: Jerry Robinson (entre 1939-1946), George Roussos (1940-1947), Gardner Fox (1940), Jack Burnley (1941-1943), L. Harris (1941-1943), Jack Schiff (1942), Alfred Bester (1942-1947), Mort Weissinger (1943-1945), Mort Meskin (1943-1946), entre muitos outros. Desde meados dos anos 80 (do século XX) a série tem sido renovada por autores como Frank Miller, David Mazucchelli, Brian Bolland, Berni Wrightson, Jim Starlin, Alan Moore, Dave McKean, Grant Morison, Alan Grant, Frank Quitely, Brian Azzarello e Eduardo Risso.
Batman em Portugal
Em Portugal, as primeiras BD chegaram por intermédio de diversas revistas brasileiras, que sucederam a O Lobinho, periódico do país irmão onde se estreou em 1940. A estreia propriamente dita em Portugal ocorreu em 1972, por intermédio do jornal Diário Popular, onde se manteve até 1978. Depois de uma efémera passagem pelo Jornal do Cuto, em 1977, a série apareceu também em A Revista dos Super-Heróis, da Agência Portuguesa de Revistas, em 1983, até ter o seu próprio título, Batman, da abril Morumbi, em 1991, depois Liga da Justiça e Batman, em 1995, ano que também ficou marcado pela publicação da segunda série da revista Batman, seguindo-se, posteriormente, Zero Hora, a terceira série de Batman e Batman: Vigilantes de Gotham. Já como abril Controljornal, publicaram-se ainda números únicos e mini-séries. A Meribérica/Liber chegou a editar em 1994 o álbum Batman/Judge Dredd: Julgamento em Gotham, em formato à "europeia" (aproximadamente A4), por contraponto ao formato habitual dos Comic Book (A5).
Desde 2000 passou a Devir a editar os livros e as revistas da editora DC Comics, detentora dos direitos de Batman, acompanhando os mais recentes ciclos da série, com as Coleções "Clássicos Batman" e "Universo DC". Para o Correio da Manhã, a mesma Devir, juntamente com a Panini Comics, organizou um volume da Coleção "Os Clássicos da BD" dedicado a Batman, em 2004.
Cinema, Televisão e Desenhos Animados
As adaptações de Batman no Cinema são bastante antigas, a primeira de 1943, com Batman (As Aventuras do Homem-Morcego), que contou com Lewis Wilson (Batman) e Douglas Croft (Robin) nos principais papéis, e a segunda de 1949, com The New Adventures of Batman (As Novas Aventuras do Homem-Morcego).
Em versão a cores, estreou em 1966 o filme Batman The Movie (Batman, o Invencível), com Adam West (como Batman) e Burt Ward (como Robin). Dessa época é também uma série televisiva com os mesmos protagonistas. Quanto aos desenhos Animados do Dynamic Duo, Batman e Robin, têm tido diferentes versões, desde os anos 40. Em 2003 surgiu a longa-metragem em Animação, Batman: Mystery of the Batwoman, da Warner Brothers.
Depois de ter protagonizado três filmes e adaptações para a televisão, Batman mereceu grande destaque em 1989, quando completou 50 anos de existência, com a estreia do filme da Warner Brothers realizado por Tim Burton, precisamente Batman, baseado nas histórias do herói da BD criado por Bob Kane e Bill Finger. Os protagonistas deste filme da saga Batman foram o conhecido Michael Keaton (no duplo papel de Bruce Wayne/Batman), o consagrado Jack Nicholson (no papel do seu arqui-inimigo Joker), Kim Basinger (como a "frágil" Vicky Vale) e Michael Gough (como Alfred, o fiel mordomo, que aqui é o único conhecedor da identidade secreta do Homem-Morcego). Neste filme, Tim Burton preferiu filmar o super-herói conferindo-lhe uma vertente mais humanizada, recuando mesmo à infância de Bruce Wayne e à morte dos seus pais às mãos do Joker, permitindo aos espectadores menos familiarizados com a série ficar a conhecer os aspetos mais importantes.
O filme foi galardoado com um Óscar da Academia pela Direção Artística, tendo a recriação do ambiente gótico de Gotham City conferindo maior potencial e espetacularidade à ação do filme. A banda sonora foi da autoria do artista pop Prince ao nível das canções e de Danny Elfman na orquestração, que contribuiu para o sucesso do filme.
Assim, não é de estranhar que a saga tenha continuado no grande ecrã, desde logo com Batman Returns (Batman Regressa), em 1992, de novo com Tim Burton na realização e com Michael Keaton como protagonista (Bruce Wayne/Batman), que contou ainda com Michelle Pfeiffer (no papel da sensual, misteriosa e furtiva Catwoman) e Danny DeVito (como o inesquecível Pinguim). A banda sonora do filme foi da autoria de Danny Elfman.
Seguiu-se Batman Forever (Batman Para Sempre), em 1995, que marcou a mudança do ator principal, que passou a ser Val Kilmer (como Bruce Wayne/Batman), ao passo que os vilões foram interpretados por Jim Carrey (como Enigma), Tommy Lee Jones (como Harry Two Face), contando ainda com Nicole Kidman (como Chase Meridian) e com Chris O'Donnell (como Robin). A realização ficou a cargo de Joel Schumacher, tendo Tim Burton sido coprodutor. A banda sonora foi da responsabilidade de Elliot Goldenthal.
A seguinte longa-metragem da saga foi Batman and Robin (Batman & Robin), de 1997, agora com George Clooney como protagonista (Bruce Wayne/Batman) e Arnold Schwarzenegger como o mau da fita (Mr. Freeze), para além de Chris O'Donnell (Robin), Uma Thurman (Poison Ivy) e Alicia Silverstone (Batgirl). A realização e a banda sonora foram de novo da dupla Joel Schumacher e Elliot Goldenthal.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Batman na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-05-19 23:27:25]. Disponível em
Artigos
ver+

Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros