Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Béla Balàzs

Poeta, argumentista, dramaturgo, crítico de cinema e realizador húngaro, Béla Balàzs nasceu com o nome Herbert Bauer, a 4 de agosto de 1884, em Szeged. O pai era tradutor e foi transferido para Lõcse, uma pequena cidade no remoto Norte da Hungria, por causa das suas opiniões liberais. Com a sua morte, em 1897, a mãe do jovem Herbert regressou com os seus três filhos a Szeged.
Ainda na escola, publicou os seus primeiros trabalhos na imprensa local, usando o pseudónimo Béla Balàzs. Terminados os seus estudos secundários em 1902, foi viver para Budapeste. Aí, ingressou no reputado Eötvös Collegium, onde teve por amigos Zoltán Kodály e Béla Bartók. Balàzs prosseguiu os seus estudos em Berlim e em Paris, e publicou uma tese de doutoramento sobre as tragédias de Friedrich Hebbel.
Em 1910 escreveu o libretto da famosa ópera de Béla Bartók, A Kékszakàllú Herceg Vára (O Castelo do Duque Barba-Azul), que foi estreada em 1913.
Com o rebentamento da Primeira Grande Guerra, Balàzs alistou-se como voluntário, chegando a lutar na frente de combate, mas foi licenciado dos seus deveres, após ter adoecido gravemente.
Em 1919, a Hungria sofreu uma tentativa de revolução comunista, que falhou ao fim de cento e trinta e três dias. Pelo seu envolvimento na revolução, Balàzs foi obrigado a exilar-se na companhia da sua esposa. Chegou nesse mesmo ano a Viena, onde cooperou com o realizador Hans Otto Löwenstein. Em 1922 publicou o seu primeiro ensaio sobre teoria do cinema, Der Sichtbare Mensch (O Homem Seguro).
Com o declínio da indústria cinematográfica austríaca, em 1926, Balàzs mudou-se para Berlim, onde passou a escrever argumentos para filmes com tendências políticas de esquerda. Trabalhou numa adaptação para cinema da peça de teatro de Bertholt Brecht, Dreigroschenoper (1930, A Ópera dos Três Vinténs), mas o descontentamento do autor originou um processo no tribunal. Em 1931 colaborou com Leni Riefenstahl na feitura de Das Blaue Licht (A Luz Azul).
Com a vitória do Nacional-Socialismo na Alemanha, Balàzs mudou-se para a União Soviética, lecionando Estética no Instituto Cinematográfico Estatal de Moscovo, de 1933 a 1945. Perseguido pelos ortodoxos estalinistas, escreveu, em 1939, um poema dedicado a Estaline, que acabou por não surtir grande efeito na melhoria da sua situação.
Com a implantação do domínio soviético na Hungria, Balàzs regressou ao seu país, encarregado de auxiliar o esforço de reconstrução da indústria cinematográfica húngara. Passou a lecionar na Academia do Teatro e Artes do Cinema e continuou a escrever argumentos, que foram sendo recusados pelas autoridades comunistas, talvez pela sua complexidade teórica.
Faleceu a 17 de maio de 1949, em Budapeste. Em 1959 foi inaugurado, nessa cidade, o Estúdio Experimental Béla Balàzs.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Béla Balàzs na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-08 16:45:02]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros