Livros & Autores

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Belfast

Aspetos Geográficos
Cidade e capital da Irlanda do Norte, Belfast situa-se na província do Ulster, próximo da foz do rio Lagan, encaixada por montanhas dos dois lados. Possui um clima muito chuvoso e relativamente frio. É a segunda maior cidade da ilha da Irlanda, possuindo cerca de 276 000 habitantes (2005), que se transformam em cerca de 580 000 se considerarmos a Grande Belfast.
História e Monumentos
Centro da cidade de Belfast
O local foi ocupado desde a Idade do Bronze, podendo ainda ser vistos alguns vestígios dessa era nos arredores da cidade. Tornou-se uma povoação mais importante no século XVII, após ter sido povoada por ingleses e escoceses durante a chamada "Plantação do Ulster". Belfast tornou-se um importante centro industrial e comercial nos séculos XVIII, XIX e XX, tornando-se mesmo a cidade mais industrializada da Irlanda. É capital da Irlanda do Norte desde a sua criação em 1921, tendo-se também tornado no palco de conflitos entre católicos (mais tarde, nacionalistas) e protestantes (chamados também de unionistas), o mais recente dos quais decorreu entre 1969 e o final dos anos 90. Foi fortemente bombardeada durante a Segunda Guerra Mundial, morrendo mais de mil pessoas. Nos anos 60, a cidade sofreu um período de depressão económica que se traduziu no aumento do desemprego. Contudo, mais tarde foi revitalizada e melhorou bastante a sua qualidade de vida. Entre os seus principais monumentos, destacam-se a Câmara Municipal (1906), a Queen's University (1849), a Biblioteca Linenhall (1788) e ainda os edifícios do banco do Ulster (1860) e do Northern (1769).
Aspetos Turísticos e Curiosidades
O seu nome em irlandês - Béal Feirste - significa "boca do areeiro". O arquiteto Charles Lanyon é o responsável pela maioria dos edifícios vitorianos da cidade. A maior doca seca do mundo situa-se na cidade e os gigantes guindastes dos estaleiros que construíram o Titanic podem ser vistos de longe. Algumas áreas da cidade possuem murais políticos que refletem as lutas político-religiosas que ali tiveram lugar. Os Jardins Botânicos constituem outro dos locais de particular interesse. Destacam-se ainda a Windsor House (o edifício mais alto da ilha da Irlanda, com 80 metros e 23 andares), o Albert Clock (homenagem ao Príncipe Alberto), a Galeria de Banhos Ormeau (espaço de arte contemporânea), o Jardim Zoológico, o Colégio St. Malachy's e o St. George's Market (um dos últimos mercados vitorianos cobertos da cidade, construído entre 1890 e 1896).

Economia
As indústrias metalomecânicas são importantes na cidade, especialmente a aeronáutica. Outras indústrias de relevo são as do linho e da corda. Após um período de recessão, a cidade viu serem investidas elevadas verbas na modernização das suas infraestruturas e na estimulação da sua economia, o que se refletiu na diminuição do desemprego e numa requalificação urbana. A Universidade do Ulster, situada na cidade, destaca-se na área das belas-artes e do design. A cidade possui uma extensa rede de estradas, sendo bastante dependente do automóvel. Possui dois aeroportos: o George Best (especialmente para voos domésticos) e o internacional (com voos domésticos, europeus e transatlânticos).
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Belfast na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-06-30 18:21:00]. Disponível em

Livros & Autores

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros