Academia Virtual - O Poder da Voz

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Burt Lancaster

Ator norte-americano, de nome verdadeiro Burton Stephen Lancaster, nascido em 2 de novembro de 1913, em Nova Iorque, e falecido em 20 de outubro de 1994, na cidade californiana de Century City. Tornou-se conhecido por ter criado, na tela, uma imagem fisicamente forte e dura bem como um carácter sensível. Ainda jovem, evidenciou-se como basquetebolista amador, mas, aos 17 anos, fugiu de casa para se juntar a uma troupe de circo onde atuou como trapezista. Depois dum acidente, alistou-se no serviço militar, tendo também atuado como animador de espetáculos para as tropas. Finda a II Guerra Mundial, decidiu frequentar aulas de interpretação, tendo chegado à Broadway em 1946, obtendo um importante papel na peça A Sound of Hunting. Impressionados pela naturalidade com que atuava nos palcos, os produtores da Paramount propuseram-lhe um contrato cinematográfico. Iniciou o seu percurso com The Killers (Assassinos, 1946), ao lado de Ava Gardner, que se tornaria um clássico do filme negro. A sua estreia não poderia ter sido melhor, visto o filme ter tido uma boa carreira comercial. Após uma série de sucessos, Lancaster decidiu fundar a sua própria produtora, a Hecht-Lancaster, e apostar no filão do filme de aventuras. Dos inúmeros títulos que produziu e protagonizou, destacam-se The Flame and the Arrow (O Facho e a Flecha, 1950) e The Crimson Pirate (O Pirata Vermelho, 1951). A sua confirmação como excelente ator dramático só aconteceria em 1953 quando foi nomeado para o Óscar de Melhor Ator pela sua prestação em From Here to Eternity (Até À Eternidade, 1953), onde encabeçou, ao lado de Deborah Kerr, um dos pares românticos mais emblemáticos da História do cinema. Seguiram-se dois westerns realizados por Robert Aldrich: Apache (O Último Apache, 1954) e Vera Cruz (1954). A sua primeira incursão como realizador mereceu os pareceres negativos tanto da crítica especializada como do público: The Kentuckian (Homem Até ao Fim, 1955) seria prejudicado pela má qualidade do argumento. Lancaster não esmoreceria, protagonizando sucessos como Gunfight at OK Corral (Duelo de Fogo, 1957) e Sweet Smell of Success (1957), onde personificou um implacável jornalista, naquela que muitos críticos consideraram a melhor interpretação da sua carreira. O Óscar de Melhor Ator não demoraria: Elmer Gantry (O Falso Profeta, 1960) mostrou ao mundo um Lancaster em excelente forma na pele dum vendedor com o dom da palavra que se torna evangelista. Em 1962, venceu o prémio para melhor ator no Festival de Veneza pela sua personagem de Robert Stroud, um criminoso que se dedica à ornitologia em The Birdman of Alcatraz (O Homem de Alcatraz, 1962). No auge da sua carreira, será um realizador europeu a entregar-lhe um dos maiores papéis de sempre, o de Príncipe Fabrizio Salina em Il Gattopardo (O Leopardo, 1963) de Luchino Visconti, a partir do romance de Lampedusa. Ainda nessa década, protagonizará o western The Professionals (Os Profissionais, 1966), Castle Keep (O Castelo dos Maiorais, 1969) e Airport (Aeroporto, 1970). À medida que envelhece, será na Europa que solidificará todo o seu talento. Participou no épico 1900 (1976) de Bernardo Bertolucci e maravilhou os admiradores com o seu retrato de Lou, um velho gangster em Atlantic City (1980) de Louis Malle, papel que lhe valeu uma nomeação para o Óscar de Melhor Ator. Daí para a frente, limitou-se a passear o seu talento em produções televisivas, rareando as suas aparições cinematográficas. As exceções foram Tough Guys (Os Duros, 1986), ao lado de Kirk Douglas, e um comovente papel secundário em Field of Dreams (Campo de Sonhos, 1989). O seu último trabalho foi como advogado no telefilme Separate But Equal (1991), baseado em factos verídicos.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Burt Lancaster na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-10-01 13:07:38]. Disponível em
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Burt Lancaster na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-10-01 13:07:38]. Disponível em

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais