Academia Virtual - O Poder da Voz

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Camané

Fadista português nascido em 1967, em Oeiras, de nome Carlos Manuel Moutinho Paiva dos Santos Duarte.
Camané teve o seu primeiro contacto com o fado por volta dos 10 anos, quando descobriu a coleção de discos dos pais, que lhe despertou grande curiosidade. Deparou-se então com grandes nomes do género, entre os quais se contam o de Amália Rodrigues, Fernando Maurício, Lucília do Carmo, Maria Teresa de Noronha, Alfredo Marceneiro e Carlos do Carmo. Em 1979, participou na Grande Noite do Fado e não tardou em gravar alguns temas, apresentados publicamente. Após um interregno de cinco anos, o cantor retomou o contacto com o fado, voltando a atuar regularmente em casas da especialidade e integrando o elenco de vários espetáculos produzidos por Filipe La Féria, casos de "Grande Noite", "Maldita Cocaína" e "Cabaret".
O seu primeiro álbum, intitulado Uma Noite de Fados, foi editado em 1995 e valeu a Camané grandes elogios por parte da crítica especializada e reconhecimento por parte do público. O trabalho contou com a produção de José Mário Branco, que conheceu o promissor fadista quando este atuou nas noites de fado do Teatro da Comuna. Desde então, desenvolveram uma relação simultânea de amizade e de trabalho, da qual resultou a edição deste primeiro disco, gravado ao vivo no Palácio de Alcáçovas, ao longo de quatro noites consecutivas.
O segundo álbum surgiu no início de 1998, novamente com produção de José Mário Branco. As grandes expectativas depositadas pela crítica em Na Linha da Vida foram superadas, confirmando-se assim a qualidade e o potencial do jovem fadista.
Ao longo desse ano, Camané participou no espetáculo incluído na agenda da Expo 98, "De Sol a Lua - Flamenco a Fado", assim como em festivais de música na Europa, caso dos festivais "Tombées de la Nuit", em Rennes, e "Les Méditerranées à l'Européen", em Paris. No fim de 1998, altura em que este segundo álbum foi editado pela EMI holandesa e belga, o fadista realizou uma digressão por estes países, participou como convidado no espetáculo de José Mário Branco, que teve lugar no Teatro Camões, e no concerto comemorativo dos 35 anos de carreira de Carlos do Carmo, realizado no Centro Cultural de Belém.
Após uma série de concertos realizados em 1999 em Portugal, Espanha, Macau e França, o cantor viu o seu terceiro álbum de originais, Esta Coisa da Alma, ser editado no início do ano 2000, simultaneamente em Portugal, na Bélgica e na Holanda.
Um ano depois, o fadista regressou com novo álbum de originais, intitulado Pelo Dia Dentro.
No final de 2003, o fadista editou o seu primeiro registo fonográfico ao vivo, com o título Como Sempre... Como Dantes, contendo os principais temas da sua carreira, gravados no ambiente intimista dos concertos do cantor.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Camané na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-09-30 16:03:00]. Disponível em
Artigos
ver+
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Camané na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-09-30 16:03:00]. Disponível em

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais