Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Cancioneiro da Biblioteca Nacional

O Cancioneiro da Biblioteca Nacional (Colocci-Brancuti) é uma cópia quinhentista de uma coletânea, datada do século XIV, de textos poéticos compostos por trovadores galego-portugueses. Foi mandado copiar pelo colecionador italiano Angelo Colocci, provavelmente na Cúria, a partir de uma compilação trecentista - de que partiria também a cópia quinhentista designada Cancioneiro da Vaticana -, correspondente talvez ao Livro das Cantigas mencionado no testamento do conde de Barcelos, D. Pedro, e composta já num momento de maturação da poesia galego-portuguesa. Redescoberto no século XIX, na biblioteca do conde Paolo Brancuti, foi parcialmente editado, apenas nas composições que não figuravam simultaneamente no Cancioneiro da Vaticana, por Ernesto Monaci, de acordo com a edição preparada por Enrico Molteni (Il Canzoniere portoghese Colocci-Brancuti, publicato nelle parti che completano il Codice Vaticano 4803, Halle, Niemeyer, 1880). Em 1924 foi comprado aos herdeiros de Monaci pelo governo português, conservando-se na Biblioteca Nacional (de onde deriva a sua denominação).
Vários aspetos individualizam este cancioneiro relativamente aos Cancioneiro da Ajuda e Cancioneiro da Vaticana. Por um lado, o Cancioneiro da Biblioteca Nacional é o que documenta o maior número de composições, cerca de 1560 cantigas, distribuídas pelos três géneros canónicos: cantigas de amor, cantigas de amigo e cantigas de escárnio e maldizer, sendo para várias delas documento único, já que não estão registadas no Cancioneiro da Vaticana. Como consequência, é testemunho para um maior número de autores, cerca de 150, correspondentes a um arco cronológico que vai do fim do século XII até meados do século XIV, ou seja, basicamente, o período de florescimento da poesia lírica galego-portuguesa. Por outro lado, ao contrário dos outros dois cancioneiros, o Cancioneiro da Biblioteca Nacional contém uma "Arte de Trovar", um tratado anónimo de teorização poética, que, embora fragmentária, descreve os géneros em que se desenvolvem os textos da lírica galego-portuguesa. Estabelece, assim, as diferenças e normas que regem as cantigas de amor e cantigas de amigo (cap. IV), as cantigas de escárnio e maldizer (caps. V e VI), as tenças, cantigas de vilão e cantigas de seguir (caps. VII, VIII e IX). Finalmente, uma outra circunstância torna este manuscrito original relativamente aos outros dois cancioneiros, visto que a ação de Angelo Colocci não se restringe à supervisão do trabalho dos copistas, tentando também impor uma determinada ordem e seleção ao códice. O colecionador intervém no próprio texto, que, deste modo, oferece dois níveis textuais: o do cancioneiro, enquanto repositório poético, e o dos comentários filológico-literários inscritos pelo humanista.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Cancioneiro da Biblioteca Nacional na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-18 22:01:35]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais