Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Cartas

Caracterizada por um forte pendor intimista de reflexão e independência, a obra epistolográfica de Sá de Miranda destaca-se por uma elevada preocupação de intervenção social.
No seu conjunto, as Cartas de Sá de Miranda abordam temas variadíssimos como a ação histórica, as Letras, a imortalização das ações através de registos literários, o culto e prática da filosofia estoica, a ambição, a condenação das riquezas, a adulação, etc.
Embora todas sejam relevantes, destacamos três cartas: Carta a El-Rei D. João III, Carta a Mem de Sá e Carta a António Pereira, Senhor de Basto.
Na Carta a D. João III, o autor começa se desculpar pelo tempo que vai tomar ao soberano. Sá de Miranda adota nesta carta uma atitude conselheira, exteriorizando as suas ideias quanto à necessidade do rei deter o poder absoluto. Sá de Miranda critica os aduladores, chamando-lhes "salteadores", e desmistifica o clero que, sem vergonha, ostenta uma riqueza excessiva. Esboça ainda uma crítica a Espanha e realça o valor da justiça e da imparcialidade. A carta termina com um humilde pedido de desculpas ao rei pelo atrevimento das suas palavras.
Na Carta a Mem de Sá, seu irmão e terceiro governador do Brasil, Sá de Miranda, assumindo um tom de meditação sobre os sonhos, ambições e esperanças da vida humana, reflete um certo pessimismo quanto ao futuro da Humanidade. A manifestação deste pessimismo justifica a sua opção pela vida rural em detrimento da corte, alegando que no campo pode "guardar a sua liberdade" e dedicar-se calmamente à atividade intelectual.
Para ilustrar o contraste entre a cidade e o campo, o autor serve-se da fábula do rato do campo e do rato da cidade. O rato da cidade, tendo-se perdido, vai ter ao campo. Constatando a pobreza aí existente, tenta o rato do campo com a vida luxuosa da metrópole. Deixando-se iludir, este vai para a corte onde imediatamente se apercebe dos perigos que a envolvem. O rato do campo regressa ao seu espaço campestre, considerando, de acordo com a tese da aurea mediocritas, que "mais vale ter o suficiente sem grandes preocupações e cansaços do que ter muito com o perigo à espreita."
Na Carta a António Pereira, Senhor de Basto, o autor aborda novamente a dicotomia cidade/ campo a propósito da partida do seu amigo para a corte.
A cidade de Lisboa simboliza a corrupção e o desconcerto. O mercantilismo surge como "fonte de todos os males", nomeadamente o despovoamento do reino, celebrizado pelos famosos versos "Mas temo-me de Lisboa/ que, ao cheiro desta canela,/ o reino nos despovoa". A oposição entre o campo e a cidade é defendida com base na sua experiência pessoal (recolhimento na Quinta da Tapada, no Minho) e no conhecimento que tem das obras de Virgílio e de Horácio (nomeadamente a exaltação que estes fazem às virtudes da Idade do Ouro).
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Cartas na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-07-02 02:39:51]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais