Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

caso

1. Forma morfológica que um dado sintagma nominal apresenta e que indica a sua função sintática na frase. O caso é uma manifestação morfológica que se enquadra no processo da flexão de palavras e que ocorre em certas línguas, ditas casuais (como o latim, o grego antigo, o alemão e as línguas eslavas - polaco, checo, esloveno, russo, ucraniano, etc.), cujas funções sintáticas não são marcadas pela posição relativa do sintagma nominal na frase, mas sim, por desinências flexionais. O latim, uma das línguas que apresenta um sistema casual mais complexo, possui um sistema de seis casos (nominativo, vocativo, genitivo, acusativo, dativo e ablativo) que afeta nomes, adjetivos e pronomes. Outras línguas, como o esquimó e o basco, apresentam ainda o caso ergativo. A flexão casual manifesta-se na alteração das desinências da mesma palavra, como pode ver-se na declinação da palavra latina puer (rapaz):
Nominativo (sujeito, predicativo do sujeito): puer (sing.)/ pueri (pl.)
Vocativo (vocativo): puer (sing.)/ pueri (pl.)
Genitivo (complemento determinativo do nome): pueri (sing.)/ puerorum (pl.)
Acusativo (complemento direto): puerum (sing.)/ pueros (pl.)
Dativo (complemento indireto): puero (sing.)/ pueris (pl.)Ablativo (complemento circunstancial): puero (sing.)/ pueris (pl.)
Sendo o latim uma língua que apresentava ordem livre das palavras na frase, o caso servia para identificar a função sintática da palavra: [Bono civi]Dativo [cara]Nominativoest [patria]Nominativo (A pátria é querida ao bom cidadão).
Em português subsistem alguns vestígios da flexão casual latina na flexão dos pronomes pessoais, que apresentam uma forma para o sujeito (eu, tu, ele/ela, nós, vós, eles/elas), outra para o complemento direto (me, te, o/a, nos, vos, os/as), outra para o complemento indireto (me, te, lhe, nos, vos, lhes) e outra ainda para os complementos antecedidos de preposição (mim, ti, si, nós, vós, si). A flexão latina foi substituída, nas línguas românicas, pela posição das palavras na frase, o que fez do português uma língua SVO, i.e, uma língua cuja ordem sintática mais esperada é a sequência sujeito-verbo-objeto. A colocação das preposições antecedendo os nomes veio substituir no português, como nas restantes línguas românicas, os casos do genitivo, do dativo e do ablativo.
2. Na Gramática de Casos (J. Gruber, 1965 e C. Fillmore, 1970), um dos desenvolvimentos seguidos pela gramática generativa, o caso corresponde à função semântica ou temática desempenhada pelos argumentos de um verbo, dando origem a uma tipologia de "casos" ou funções, de onde se destacam o agente, o beneficiário, o tema, o experienciador, o objeto, o locativo, etc.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – caso na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-05-17 19:40:42]. Disponível em

Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais