Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Castelo de Porto de Mós

No alto de uma colina sobranceira à vila de Porto de Mós situa-se o seu elegante castelo, construção que domina e protege os vales em redor e observa as elevações das serras de Aire e Candeeiros. Alcobaça e a Batalha ficam próximas, terras que partilham parte de uma história comum: o recontro de Aljubarrota.
As suas poderosas linhas de arquitetura militar são suavizadas pela adaptação a residência senhorial feita nos séculos XV-XVI, conferindo-lhe uma invulgar graciosidade construtiva.
Indeterminada é a fundação da vila de Porto de Mós, mas vestígios pré-históricos remetem-na para uma cronologia muito antiga. Mais sólidas são as presenças materiais da romanização, visíveis nos panos de muralha do castelo medieval, com destaque para duas cantarias com inscrições latinas. Visigodos e muçulmanos aqui ergueram barreiras defensivas.
Vista aérea do castelo de Porto de Mós
O castelo de Porto de Mós situa-se numa colina junto à vila
D. Afonso Henriques conquista esta praça-forte aos Mouros no decurso de 1148, nomeando seu alcaide D. Fuas Roupinho - cavaleiro que se celebrizou no lendário episódio ocorrido no Sítio da Nazaré. De acordo com a lenda, D. Fuas Roupinho andava à caça e denso nevoeiro se levantou. Quando este se aproximava do abismo, uma poderosa força imobiliza o cavaleiro e sua montada, salvando-os de uma morte mais do que certa.
O castelo voltou às mãos dos Árabes, mas o mesmo D. Fuas Roupinho, após estratégica fuga, retoma-o em definitivo. Novos assaltos da mourama assolaram a região, o que levou D. Sancho I a realizar importantes obras de beneficiação. Maiores e mais decisivas foram as remodelações feitas no reinado de D. Dinis.
14 de agosto de 1385 aproximava-se. Dois dias antes, em pleno verão desse longínquo ano, um exército luso-britânico comandado por D. João I e D. Nuno Álvares Pereira repousava nas redondezas de Porto de Mós. Iam deter o numeroso exército castelhano que se aproximava da região. O dia decisivo chegou e o confronto foi inevitável, dando-se nos campos de Aljubarrota. As armas nacionais obtiveram retumbante vitória.
Em sinal de gratidão, a alcaidaria de Porto de Mós passaria para a posse de D. Nuno Álvares Pereira, que, por testamento, a legou a sua filha e seu genro - os primeiros duques de Bragança. O filho destes, D. Afonso, era um diplomata e militar culto e viajado, decidindo transformar a medieval fortaleza em residência palaciana, projeto que os descendentes do conde de Ourém mantiveram e engrandeceram.
Contudo, a passagem inexorável do tempo e as catástrofes naturais danificaram com gravidade parte do castelo, particularmente a arruinada fachada virada a norte. Os terramotos de 1755 e, em menor escala, o de 1909 contribuíram para estas graves mutilações, sustidas no presente século pelas obras de conservação e restauro levadas a efeito pela Direção-Geral de Edifícios e Monumentos Nacionais (D.G.E.M.N.).
O castelo-palácio de Porto de Mós desenha uma planta irregular, apresentando em cada um dos seus ângulos uma torre defensiva. As duas que se inserem no pano de muralhas virada a sul são coroadas por coruchéus piramidais verdes, estando as três restantes mutiladas. Os parapeitos das torres e cortinas do castelo são reforçados por contínua e elegante série de mísulas, embora não conservem já o seu remate ameado.
A fachada sul apresenta uma sublime combinação de elementos arquiteturais do gótico quatrocentista. Duas torres com janelas flanqueiam-na, dispondo-se no espaço entre ambas dupla varanda com abóbadas de aresta e composta por elegantes arcos conopiais misulados, interrompida ao centro por um saliente contraforte. Vários elementos escultóricos enriquecem esta área e dependências palacianas anexas. No piso térreo rasga-se um amplo portal.
Intramuros, observa-se um átrio arruinado que era formado por um pórtico com colunas e pilastras renascentistas, tendo ao centro os muros facetados da cisterna. Portas e janelas retangulares e ogivais, bem assim como outros elementos construtivos e decorativos, denunciam a coexistência dos diferentes e contrastantes estilos gótico e renascentista, mas nem por isso deixando de revelar uma harmoniosa complementaridade.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Castelo de Porto de Mós na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-11 18:09:56]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais