Academia Virtual - O Poder da Voz

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Chronica que trata da vida, e grandissimas virtudes, e bondades, magnanimo esforço, excellentes costumes, e manhas, e claros feytos do Christianissimo Dom Joam o Segundo deste nome, e dos Reys...

Incluída no Lyvro das Obras de Garcia de Resende, a Crónica de D. João II foi redigida em Évora entre 1530 e 1533, a partir de uma apropriação livre da fonte manuscrita de Rui de Pina. A matéria cronística composta por Rui de Pina, textualmente visível sobretudo a partir do capítulo XXV do relato de Resende, é reelaborada com base em notas e memórias, somadas ao longo da convivência íntima que uniu Garcia de Resende a D. João II, oferecendo, por isso, um retrato vivo do monarca, por quem não esconde uma incondicional admiração. O autor imiscui-se, assim, na narração: como espectador que testemunhou na corte, ao mesmo tempo, as grandes transformações históricas que mudaram o rumo de Portugal durante o reinado de D. João II, e todas as movimentações, traições e interesses que se jogavam nas casas real e senhoriais; e como homem que, numa intensa apologia, veicula a sua gratidão pelo monarca que o acolheu, o formou, o estimulou e distinguiu, com privilégios e ensinamentos que "nunca ouve pay que os taes desse". A crónica é precedida de uma pequena súmula introdutória, as "Virtudes /, Feições, Costumes, e Manhas, etc.", que apresenta a descrição física e psicológica do monarca, enaltecendo o talento do governante, ao revelar pormenores e "manhas" da sua atuação, como, por exemplo, o registo escrupuloso, num livro secreto, dos atos de "todolos homens a que mais obrigado era", e louvando a religiosidade do marido de D. Leonor, sobre quem pairou depois da morte uma fama de santidade. A crónica ampliará o panegírico, preferindo a caracterização indireta do perfil do monarca, reconstituído a partir dos seus gestos, das suas decisões e do seu discurso, como, por exemplo, ao longo de toda intriga esboçada desde a suspeita de traição até à morte do Duque de Bragança. Cruzando o registo biográfico, com os registos histórico, novelístico, encomiástico e elegíaco, a leitura da Crónica de D. João II nutre-se, deste modo, de um interesse histórico, mas também literário, dando sobejas provas do talento de Garcia de Resende como prosador. A narração das circunstâncias e reações à morte do príncipe herdeiro, D. Afonso, dialogando intertextualmente com os prantos coligidos no Cancioneiro Geral, é dos exemplos das potencialidades literárias da sua escrita cronística.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Chronica que trata da vida, e grandissimas virtudes, e bondades, magnanimo esforço, excellentes costumes, e manhas, e claros feytos do Christianissimo Dom Joam o Segundo deste nome, e dos Reys... na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-10-02 00:31:20]. Disponível em
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Chronica que trata da vida, e grandissimas virtudes, e bondades, magnanimo esforço, excellentes costumes, e manhas, e claros feytos do Christianissimo Dom Joam o Segundo deste nome, e dos Reys... na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-10-02 00:31:20]. Disponível em

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais