Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

ciclo de Bethe-Weizsacker

O ciclo de Bethe-Weizsacker, como o próprio nome indica, é um processo atómico descoberto em 1938 pelos físicos Hans Albrecht Bethe (1906-) e Carl Friedrich von Weizsacker (1912-), que explica a produção de energia no Sol e noutras estrelas. Quatro núcleos de hidrogénio (protões H) juntam-se para formar um núcleo de hélio (He) (fusão nuclear). Neste processo ocorre uma transformação de uma fração mínima da massa original dos protões em energia. A formação produz-se através do carbono (C) e do azoto (N) por meio de seis processos individuais (ciclo carbono-azoto). A quantidade de energia que se forma por cada núcleo produzido é 4,0x10-12 J. Os protões podem também transformar-se por meio do deutério e de um isótopo do hélio, de massa atómica 3, em hélio normal. As reações protão-protão são mais eficazes a temperaturas inferiores a 16 milhões de graus Kelvin, sendo as do ciclo Bethe-Weizsacker, mesmo assim, mais eficazes acima da referida temperatura.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – ciclo de Bethe-Weizsacker na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-16 10:53:13]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros