Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Cioso

Da autoria de António Ferreira, a comédia Cioso parece ter sido escrita, depois da Bristo, entre 1554 e 1558, embora só tenha sido editada, juntamente com aquela, em 1622.
Como a outra comédia já referida, Cioso está estruturada em cinco atos, tendo como tema enformador da ação o ciúme de Júlio, mercador e banqueiro de profissão. Na verdade, sendo casado com uma bela mulher, a loura Lívia, este mercador, exagerando nas suas cautelas, mantém-na permanentemente "aprisionada" dentro da sua própria casa, sita na Praça de S. Marcos, na não menos bela Veneza, lugar onde se centraliza a ação. Inconformada com a situação, Lívia derrama lágrimas de sofrimento e confidencia a sua triste sorte à sua ama Brómia que não deixa de apontar o dedo acusatório ao comportamento insensato de Júlio.
Embora intrínseco à sua estrutura mental, o ciúme de Júlio é acirrado pela chegada a Veneza de um moço português de nome Bernardo. Fixado em Génova, este jovem vai para Veneza recomendado à hospitalidade de Júlio por um amigo comum chamado Benedito.
António Ferreira
Constituindo "o eixo da ação dramática", como diz Jacinto Prado Coelho, in Dicionário de Literatura, a chegada de Bernardo desencadeia uma atitude irracional por parte de Júlio, à qual não é alheia a paixão que aquele nutrira por Lívia, antes do seu casamento e que só não resultou porque o pai desta, César, ao contrário de sua mulher Pórcia, atentava mais nos casamentos de conveniência do que nas ligações por amor.
Desconhecendo que Júlio era casado com Lívia, Bernardo, fiel à sua antiga paixão, procura Lívia.
No meio destas dificuldades, Bernardo, representante do tipo lusitano suspiroso, defensor do "amor platonizante", procura a ajuda do seu bom amigo Octávio, que defende, de forma clara, a conceção do "amor sensual".
Por outro lado, os pajens Ardélio, ao serviço de Bernardo, e Janoto, ao serviço de Octávio, que, recorrendo a uma série de artimanhas, conseguem que o cioso, cheio de debilidades e de vícios, aja de forma a "cavar a sua própria sepultura". Para o sucesso da missão (proporcionar a Júlio uma noite de amor com Faustina), é muito importante o papel desta cortesã, apaixonada por Octávio e desejada por Júlio, e de Clareta, criada daquela. Para salvaguardar qualquer adversidade, Júlio, antes de sair de casa, dá instruções a Brómia (velha ama) para não abrir a porta em nenhuma situação nem sequer a alguém parecido com ele.
A situação precipita-se porque, surpreendido por Octávio na cama com a cortesã, Júlio foge para casa e não consegue entrar dado o facto de Brómia seguir à risca as orientações que ele lhe dera. Enquanto isto, Bernardo e Lívia encontram-se na própria casa de Júlio, com a ajuda de Ardélio.
Enganado por Lívia, sua mulher, e por Faustina, a cortesã que tanto desejava, Júlio parece aprender a lição.
A peça termina, à maneira das obras de Plauto e Terêncio, com um banquete.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Cioso na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-07-03 22:08:08]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros