Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

colonialismo

Já no Mundo Antigo, Gregos, Fenícios e Romanos se lançaram na aventura colonizadora de territórios descobertos ou, a maior parte das vezes, ocupados militarmente. Em moldes efetivos e duradouros, com impacto civilizacional, os Romanos terão dado ao termo colonialismo uma maior consistência geográfica e toda a sua legitimação e importância.
De forma mais lenta e menos conhecida, mas com uma dimensão geográfica e demográfica notável, a colonização de terras virgens ou despovoadas na Idade Média, na Europa e Ásia, para além da América pré-colombiana, adquire uma escala tão importante quanto é responsável pela difusão atual de línguas, culturas e povos por extensas áreas, principalmente no Velho Continente, como é o caso de eslavos e germânicos, com implantações territoriais vastas.
A partir do século XV, a colonização de arquipélagos atlânticos por portugueses (Açores, Madeira, Cabo Verde) e espanhóis (Canárias) lança a colonização numa perspetiva universal, abrindo as portas ao colonialismo moderno à medida que novos territórios ultramarinos vão sendo acrescentados à sempre incompleta cartografia de então. Constroem-se os primeiros impérios coloniais e os mais importantes até hoje, onde se incluem nações como a Inglaterra, a França e a Holanda, que superam as monarquias ibéricas no século XVII. O mercantilismo e o comércio triangular, aliás como as companhias monopolistas, fomentam igualmente a colonização do Ultramar. A ampliação do fenómeno colonialista atinge a sua fase de maturidade no século XIX, com a partilha do mundo pelas grandes potências europeias e pelos Estados Unidos da América, apoiados que estavam em imperativos economicistas e expansionistas a coberto da difusão de credos, línguas, culturas ou de expedições científicas.
O colonialismo obedece a três motivações essenciais: militares ou estratégicas, com o apêndice da administração; económicas e sociais, também ligadas à pressão demográfica europeia; religiosas e culturais. Se as primeiras se prendem com imperativos de consolidação e afirmação do poder e do estatuto de potência das nações industrializadas ou tradicionalmente colonialistas da Europa, a segunda causa está adjacente à necessidade dessas mesmas nações, em grande desenvolvimento da sua estrutura produtiva baseada no setor secundário, de possuírem terras que produzam alimentos (para uma população em crescimento) ou matérias-primas e recursos energéticos para manterem as suas fábricas em situação rentável, para além de poderem apropriar-se de mão de obra barata (escravos) numa primeira fase. As causas de ordem religiosa, ainda que muitas vezes com expressão prática, ligadas à atividade missionária impulsionada pelo Concílio de Trento (1545-1563), são secundarizadas e ameaçadas no seu sucesso pelas primeiras, que teoricamente apoiavam a ação das congregações de missão. Os povos nativos das colónias, porém, entendiam as motivações religiosas do colonialismo como prolongamento das causas de ordem material.
Por outro lado, o desenho de fronteiras políticas em regiões africanas ou até ameríndias criará tensões entre povos antes separados e agora unidos sob modelos sociais, culturais e políticos desfasados dos seus padrões de vida. O racismo e a intolerância, nesta perspetiva, encontram as suas raízes no colonialismo, criando situações conturbadas. A missão civilizadora, argumento-base da doutrina colonialista, provocou fenómenos de aculturação e perda mesmo de identidade (crenças, tradições, práticas de subsistência, organização social) nos povos dependentes das metrópoles, assimilando confusa e precipitadamente formas culturais alheias.
A colonização obedece também, na sua efetivação, a três formas distintas: espontânea; organizada ou dirigida; forçada, como os deportados para a Austrália no século XIX.
Por outro lado, as colónias são usualmente divididas pelos historiadores em três tipos quanto ao aspeto económico: as de povoamento, como é o caso da América do Norte, com condições idênticas às da Europa; de plantação ou exploração, na África, América Latina (culturas, minas, pecuária); os comptoirs, em que os europeus apenas instalavam o sistema de produção e distribuição, aproveitando o grau civilizacional e económico das populações locais (China). Os colonos estabeleciam-se em grandes espaços, ocupando vastas regiões, ou pontualmente em locais estratégicos e de âmbito comercial, os entrepostos ou feitorias.
Os grandes impérios coloniais aparecem principalmente aliados ao desenvolvimento do capitalismo, a partir da Conferência de Berlim (1884-85) e até à Primeira Guerra Mundial (1914-18), época em que o colonialismo conheceu mais opiniões favoráveis, depois da série sucessiva de declarações de independência da América Latina. A supremacia militar e económica dos países industrializados da Europa, dos Estados Unidos e Japão resultará, nesse período, na partilha e anexação de territórios ultramarinos na África e Oceânia, para além de manterem os territórios que detinham anteriormente. Reino Unido, França, Alemanha, Bélgica, Itália, Holanda, EUA e Japão constroem ou ampliam, nesta fase, impérios coloniais, enquanto Portugal e Espanha essencialmente definem e mantêm os que já possuíam de antemão.
Porém, o colonialismo era muito combatido, principalmente desde o Iluminismo, libertário e defensor do "bom selvagem". Constantemente se deu conhecimento, até ao após-Segunda Guerra Mundial, das atrocidades e atropelos aos direitos humanos ou racismo por parte das potências coloniais. O marxismo foi também uma das correntes doutrinárias opostas ao colonialismo. As críticas acentuam-se com o fim da Segunda Guerra, em 1945, quando se começam a impor movimentos nas colónias e mesmo entre os intelectuais ocidentais a favor da autodeterminação dos povos, nomeadamente em África, onde, com apoios exteriores por vezes, se desencadeiam processos de luta armada pela independência. As décadas de 50 e 60, depois do sucesso, em 1947, da Índia, e posteriormente da Argélia (1962), marcarão o início da descolonização na maior parte das colónias europeias em África e na Ásia, com casos mais sangrentos - Quénia e Vietname, entre outros - e outros pacíficos, atingindo a sua fase final com a descolonização em conflito dos territórios ultramarinos portugueses em 1974-1975.
Dos antigos impérios coloniais, pouco resta, mantendo ainda o Reino Unido alguns territórios minúsculos nas Caraíbas e Pacífico, como a França e os Estados Unidos, embora sem as características de outrora, numa altura em que o colonialismo perdeu sentido e não passa de uma recordação do passado.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – colonialismo na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-17 06:25:51]. Disponível em
Artigos
ver+

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais