Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Comuna

O grupo de Teatro da Comuna foi fundado no dia 1 de maio de 1972 pelos atores Carlos Paulo, Francisco Pestana, João Mota, Melim Teixeira e Manuela de Feitas, que vinham do teatro amador e do Conservatório Nacional. Estabeleceram-se em Lisboa onde escolheram a sua designação através de uma votação promovida pela Rádio Renascença. O seu primeiro espetáculo foi Para Onde Is? (1972), uma adaptação do Auto da Alma e do Auto da Barca do Inferno de Gil Vicente. Para além dos atores supracitados, participaram também nomes como Maria Emília Correia, Fernando Heitor, António Rama e Luís Lucas. Num espaço cénico rudimentar, utilizando uma técnica que ficaria conhecida por "teatro de garagem", a peça conheceu um assinalável sucesso apesar das restrições da censura da "primavera marcelista". Gradualmente, o grupo contribuiu para a redenção da figura do ator enquanto agente criador e o sucesso de espetáculos posteriores, como Feliciano e as Batatas (1972), de Catherine Dasté e de Brincadeiras (1973), levou ao convite para participar no prestigiado Festival de Teatro de Nancy, participações que se repetiram em 1975 e 1976. Em 1973, o grupo instalou-se num barracão de uma antiga fábrica cervejeira e aí permaneceu até 1975, ano em que, graças a um subsídio da Fundação Calouste Gulbenkian, se estabeleceram num casarão da Praça de Espanha, propriedade da edilidade lisbonense. A partir da revolução de 25 de abril de 1974, desenvolvem um conceito de teatro comunitário e coletivista, patrocinando um conjunto de atividades pedagógicas destinadas às populações das áreas carenciadas de Lisboa. A sua primeira atuação após a "revolução dos cravos" foi A Ceia (1974), uma criação coletiva de diversos atores. Posteriormente, levaram à cena O Muro (1976), uma adaptação de As Aventuras de João Sem Medo de José Gomes Ferreira, A Mãe (1977) e Homem Morto, Homem Posto (1978), ambas de Bertholt Brecht, onde o cantor e compositor José Mário Branco participou como ator. Em 1979, o ator Miguel Guilherme juntou-se ao grupo dramático, tendo-se estreado com Guerras de Alecrim e Manjerona (1979), de António José da Silva. Por lá passaram outros atores de créditos firmados como Lia Gama (As Despedidas da Grã-Duquesa de Bernard da Costa em 1979 e Em Frente da Porta do Lado de Fora de Wolfgang Borchet em 1980), Fernando Gomes (A Viagem de Hélder Costa, em 1982), Lídia Franco (A Castro de António Ferreira, em 1982 e Quero o Meu Victor a Cores de Carlos Paulo, em 1983), Carlos Wallenstein (Marat-Sade de Peter Weiss, em 1984), José Pedro Gomes (Amadis e Festa Medieval, ambas de Abel Neves, apresentadas em 1985) e Rita Salema (O Destino Morreu de Repente de Alves Redol, em 1988, entre muitas outras).
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Comuna na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-05-29 06:15:45]. Disponível em
Artigos
ver+

Livros & Autores

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Violeta

Isabel Allende

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros