Livros & Autores

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Condado Portucalense

Território compreendido entre o Tejo e o Minho que foi entregue ao governo do conde D. Henrique no período da Reconquista Cristã. Mais tarde, com D. Afonso Henriques, filho de D. Henrique, o Condado Portucalense estaria na origem do reino independente de Portugal. Iniciada a Reconquista, vários reinos se formaram na retaguarda do avanço cristão: Astúrias, Oviedo, Leão, Castela e Aragão. Alguns fundiram-se, outros desmembraram-se; porém, não mais permitiram um domínio árabe total da Península Ibérica. Muitos cavaleiros estrangeiros, filhos-segundos à procura de fortuna ou prestígio militar e poder político, associaram-se a este esforço de Reconquista, arregimentando-se aos contingentes dos reis cristãos, nomeadamente de D. Afonso VI de Leão, Castela e Galiza, autoproclamado Imperador das Espanhas. Entre estes terá vindo Henrique da Borgonha, bisneto de Roberto II de França e sobrinho-neto de Hugo, abade de Cluny, primo de Raimundo, também ele vindo para a Península. Casou-se com D. Teresa (ainda criança), filha bastarda de Afonso VI, ao passo que Raimundo desposou D. Urraca, primogénita do mesmo rei de Leão e Castela. Recebeu D. Henrique, de Afonso VI, como dote talvez, o governo (a partir de 1095) do território compreendido entre o Tejo e o Minho, designado então por Condado Portucalense.
Englobava este território as terrae de Portucale (Porto) e Coimbra, com Santarém, que fechava o flanco sul, dependente dos avanços ou recuos da Reconquista. A designação condado difere pois da abrangência geográfica de terrae ou província portucalense, que não incluía Coimbra ou Santarém, que passam a fazer parte do Condado aquando da sua outorga a D. Henrique. Alguns autores, como Alexandre Herculano, subordinam o Condado a D. Raimundo e ao seu domínio da Galiza; outros, unicamente ao monarca, D. Afonso VI. Um dos objetivos principais da formação do condado e da atribuição do governo ao cavaleiro borguinhão terá sido a defesa do flanco meridional desta região face aos contra-ataques almorávidas, que chegaram a reconquistar mesmo Lisboa (1094?), mantendo-se todavia Santarém na posse dos cristãos. Também terá pesado a enorme extensão do território galego então, da Corunha ao Tejo.
O carácter jurídico da atribuição do Condado permanece polémico e alvo de interpretações várias, diferindo de acordo com a leitura de um ou outro documento coevo. Alexandre Herculano, por exemplo, defende a tese da tenência (posse) amovível, isto é, mera doação régia sem implicar que passe para os seus herdeiros; Paulo Merêa confere já a essa concessão um carácter hereditário. D. Teresa, como diz Joel Serrão, mantém em ambas as teorias a posse do Condado, mesmo quando, em 1109, por desavenças com D. Afonso VI, D. Henrique perde a posse do mesmo, procurando apoios no seu país, nomeadamente em Cluny, importante abadia beneditina com grande influência espiritual e política na Cristandade ocidental.
D. Teresa e Conde D. Henrique, a cujo governo foi doado o Condado Portucalense
Os limites do Condado Portucalense
D. Henrique tenta fortalecer, também religiosamente, o seu governo do Condado, reforçando Braga como sede metropolitana, rival de Toledo, com o vínculo papal das dioceses de Coimbra, Lamego e Viseu para a arquidiocese minhota, em 1102. Braga passa a ser a Igreja primaz das dioceses do Ocidente cristão da Península, afastando a influência toledana do Condado Portucalense.
Outros momentos, porém, definem a história do Condado Portucalense e desenham o seu futuro, como por exemplo o Pacto Sucessório acordado entre D. Raimundo e D. Henrique, recebendo este Toledo, ou a Galiza, em troca do seu apoio para a conquista do trono de Leão e Castela, entretanto garantido a D. Sancho, filho de D. Afonso VI com a árabe Zaida. Contudo, D. Raimundo morre em 1107, e no ano seguinte morre D. Sancho. Em 1109, o mesmo acontece a Afonso VI. Este, ainda em vida, concebera o plano de casar D. Urraca com o rei de Aragão, entregando a Galiza ao neto Afonso Raimundes, mas sem direito de ascender ao trono e na dependência do padrasto e da mãe. D. Henrique não concorda com este plano, contrário ao Pacto Sucessório, o que faz com que seja afastado do Condado em 1109 por Afonso VI, que dá o seu governo a D. Urraca. Esta, mais tarde, por influência de D. Teresa, devolve-o ao cunhado, entretanto em busca de apoios em França. Por essa altura, os Almorávidas avançam para norte, tomando Santarém e ameaçando Coimbra.
D. Urraca sucede a D. Afonso VI. Por influência da nobreza galega, desposa Afonso I de Aragão, pondo em perigo a independência de Leão. Esses mesmos nobres, perante tal ameaça, contestam o soberano aragonês e repudiam o casamento, originando conflitos entre fidalgos de vários reinos cristãos. Os nobres aclamam como rei da Galiza D. Afonso Raimundes, filho do primeiro casamento de D. Urraca, o que origina uma série de lutas civis. Em toda esta situação de conflito e intriga, D. Henrique, mesmo longe, tenta tornar o Condado independente da Galiza e do seu sobrinho. Entretanto, morre em 1112, deixando um filho de três anos, Afonso Henriques. Passa a governar o condado D. Teresa, que honra os compromissos de D. Henrique. Apoiada por nobres galegos e pelo bispo compostelano, entra em conflito com D. Urraca, rainha de Leão e Castela, que, vencendo a irmã em 1119, toma posse do Condado. O arcebispo de Braga, D. Paio Mendes, com alguns nobres portucalenses, submete-se a D. Urraca. O prelado será, porém, obrigado a refugiar-se em Zamora quando, mais tarde, D. Teresa retoma o governo condal, com algumas concessões. Nessa cidade leonesa, Afonso Henriques, acompanhante do arcebispo, arma-se sozinho cavaleiro. Mais tarde, o arcebispo regressa a Braga, entrando-se num período de acalmia até à morte de D. Urraca em 1126. Sucede-lhe o filho, D. Afonso Raimundes (futuro D. Afonso VII), que logo lembra à tia deveres feudais e lhe impõe submissão em 1127.
D. Teresa, extremamente ligada a Fernão Peres de Trava, levanta cada vez mais contra si os ódios da nobreza portucalense e do próprio povo, com o filho, Afonso Henriques, à frente dos descontentes. D. Afonso VII chega mesmo a invadir o Condado Portucalense. Afonso Henriques, com fidalgos do condado, levanta-se militarmente contra a mãe, derrotando as forças galegas de D. Teresa na Batalha de S. Mamede, em 1128. O jovem Afonso Henriques assume, então, em 24 de junho de 1128, o governo do Condado Portucalense. Bloqueado o avanço para norte do rio Minho, por acordo com D. Afonso VII, seu primo, e com os Árabes perto de Coimbra, D. Afonso Henriques empreende a expansão para sul. Ainda atacará algumas vezes a Galiza, derrotando mesmo em 1137, em Cerneja, o exército leonês, de forma a defender também o flanco norte. Juridicamente, o termo Condado não desaparece de imediato. Tal acontecerá só depois da sua autoproclamação como príncipe ou rei.
Ameaçado o flanco sul do Condado pelos Árabes, o jovem guerreiro trava contra estes uma batalha em Ourique, em 1139, desbaratando-os. Empreende, simultaneamente, lutas contra os leoneses (1140), conquistando posições políticas e até territoriais para o Condado, entrando-se depois em tréguas até 1143, quando assina a paz em Zamora, onde é reconhecido como rei. Afonso Henriques usava já o título havia três anos, desde o torneio de Arcos de Valdevez, em 1140, após o episódio de Ourique. Desaparece, assim, a designação histórica de Condado Portucalense: nasce o reino de Portugal.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Condado Portucalense na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-06-30 19:55:26]. Disponível em
Artigos
ver+

Livros & Autores

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais