Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

contexto (pragmática)

Conceito que recebeu muitas interpretações no âmbito da pragmática e da teoria da comunicação. A designação de contexto alternou com a de situação. Seguem-se algumas definições mais relevantes segundo diferentes autores:
a) M. Halliday (1976): retoma a expressão "Contexto de Situação", de Malinowsky (1923), que reduz à noção de "Situação", definindo-a pelo conjunto dos fatores extra-linguísticos em que um texto está ancorado e que são relevantes para o sentido do mesmo. Como fatores externos constituintes da "Situação" destaca "a natureza da audiência", "o meio" e "o objetivo comunicativo". Halliday recupera também a abordagem feita por D. Hymes sobre o contexto, definido como um conjunto de oito elementos: "a forma e o conteúdo do texto, a localização, os participantes, as finalidades (intenção e efeito), a chave, o meio, o género e as normas interaccionais". Apesar de Hymes considerar o aspeto linguístico da forma e do conteúdo do texto, Halliday concentra-se nas consequências que os aspetos exteriores ao texto podem ter para a construção do sentido do próprio texto.
b) R. Brown e C. Fraser (1979): a situação engloba o ambiente (tempo, lugar, observadores), os participantes (participantes por si só - como membros de uma categoria social - e a relação que estabelecem entre si - relações interpessoais e papéis desempenhados) e o objetivo (tipo de atividade e assunto específico);
c) C. Kerbrat-Orecchioni (1990): corresponde ao "conjunto dos saberes que o falante precisa de possuir para comunicar com eficácia", mas é igualmente o "ambiente extra-linguístico de um enunciado", de fazem parte a localização ou ancoragem do enunciado, que se entende como o quadro espacio-temporal, o objetivo comunicativo e os participantes, os elementos mais importantes do seu quadro comunicativo, com as suas competência linguísticas e não linguísticas, com as suas determinações psicológicas e psicanalíticas, com as suas competências culturais (ou enciclopédicas - conjunto de saberes implícitos sobre o mundo) e ideológicas (conjunto de sistemas de interpretação e avaliação do universo referencial). Orecchioni distingue contexto de cotexto, sendo o primeiro sinónimo de situação comunicativa e o segundo sinónimo de vizinhança verbal ou textual.
d) T. Sebeok (1991): o contexto inclui o conjunto do sistema cognitivo (mente), as mensagens a transitar em paralelo, a memória das mensagens anteriormente processadas e experienciadas e a antecipação das futuras mensagens que se espera virem a ser trazidas para a cena;
e) J. Moeschler (1998): o contexto é o conjunto de premissas/dados linguísticos ou não linguísticos importantes para a interpretação de um enunciado. Trata-se da primeira posição que integra não apenas os aspetos extra-linguísticos, mas também tudo o que tenha a ver com a construção gramatical e semântica da frase. Moeschler estende ainda mais o domínio do contexto, alargando-o ao conjunto dos dados de natureza cognitiva e psico-cognitiva, como o conhecimento enciclopédico, percetual e anterior. Mais tarde, Moeschler (2001) desenvolve o conceito de contexto como uma "construção dinâmica, não um dado invariante", que muda e ganha nova existência para cada enunciado. O contexto, para o autor, representa tudo aquilo que permite compreender completamente o sentido de um enunciado e que escapa à simples descodificação linguística, ou seja, é o conjunto de informações disponíveis que, tiradas do enunciado precedente, da memória a curto ou longo prazo e do ambiente físico, tornam o enunciado do locutor pertinente e inteligível para o interlocutor. Moeschler chama a atenção para o papel que o contexto desempenha na comunicação: trata-se do dispositivo responsável por "acionar ou reativar as informações disponíveis subjacentes às diferentes fontes de informação" de ordem espacio-temporal, cognitiva ou psico-cognitiva, dispositivo esse que tem por objetivo assegurar a clareza na comunicação e evitar o mal-entendido.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – contexto (pragmática) na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-11 10:29:10]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais