Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Contos da Montanha

Coletânea de contos cujo título Contos da Montanha remete o leitor para um espaço situado no interior, esta obra, publicada em 1941 e constituída por 23 contos, é da autoria de Miguel Torga.

Nascido em S.Martinho de Anta, Vila Real de Trás-os-Montes, o autor foi obrigado a ausentar-se da sua terra natal, ainda muito novo. Razões de ordem económica, que o impediam de dar continuidade à sua formação académica, foram fatores determinantes na sua partida. Estas dificuldades, que Miguel Torga percebia na maior parte das pessoas do povo que o rodeavam, marcaram-no profunda e definitivamente, enquanto lutador pelos direitos dos mais desvaforecidos.
Miguel Torga (1907-1995), médico e reconhecido escritor

A este propósito, afirma que este espaço e estas gentes foram veiculadores da sua ética, num período da vida - a infância - que é determinante nos comportamentos futuros, considerando, por isso, S. Martinho de Anta o farol orientador do seu caminho.

Poeta telúrico, a sua mensagem, contudo, rompe as fronteiras transmontanas, não se circunscrevendo à terra-mãe. Na verdade, sendo um homem universal, entende o telurismo como "a profunda e intrínseca" ligação do homem à terra, em qualquer parte do mundo.

Com uma forte componente humana, os textos de Torga assentam mais em descrições do comportamento humano, das suas emoções e dos seus sentimentos do que em descrições de aspetos paisagísticos, de que é exemplo a seguinte caracterização feita pelo próprio autor: "Heróis altivos, cingidos às leis da condição, desde o nascimento, que estão acostumados a enfrentar os caprichos do destino por sua conta e risco, mesmo quando afiançados (?) Portugueses, como é evidente, viram a luz do dia nas terras latas de Trás-os-Montes (?) Têm, pois, todos os traços fisionómicos da região. Duros e terrosos (?)".

Assim, por exemplo, a personagem do primeiro conto, Maria Lionça personifica a ruralidade e a dignidade daquelas mulheres que, apesar de analfabetas, se impunham pelo respeito e pela sua sabedoria popular empírica. Mulher da montanha, de Galafura, desde muito nova, o destino lhe reservou uma vida de sofrimento. Mulher corajosa, habituada a resistir à miséria e à desgraça, Maria Lionça atinge o auge do seu sofrimento, quando traz para a aldeia, o seu filho Pedro, já morto, para que pudesse "dormir o derradeiro sono em Galafura".

A Melra, do conto Bruxedo, mulher de sessenta e cinco anos, uma fortaleza de dedicação à família e ao trabalho, personifica as superstições que, ao longo de muitas gerações, se foram enraizando, fazendo parte do seu quotidiano. Não encontrando justificação para as dores que começaram a definhá-la, após uma luta corporal com uma vizinha - a Gomes - a Melra acreditava que só poderia ser feitiço.

Querendo dar suporte a esta cultura popular, este conto, que nos remete para uma vivência enformada pelas crendices e superstições, termina com a morte da Melra a quem a Gomes fizera um feitiço, deixando Inácio, que não acreditava em bruxarias, perplexo : "E, mal puxou a porta, caiu-lhe aos pés um manipanso de farrapos todo cravado de alfinetes e com um grande prego de caibro espetado no sítio do coração."

A exemplo destas duas personagens, também as outras retratam a "paisagem do país. A humana e a outra".

Os títulos dos 23 contos antologiados neste livro são os seguintes: A Maria Lionça; Um roubo; Amor; Homem de Vilarinho; O Cavaquinho; A ressureição; Um filho; A promessa; Maio Moço; O Bruxedo; A paga; Inimigos; Solidão; A ladainha; O vinho; O lugar de sacristão; Justiça; A vindima; Um coração desassossegado; A revelação; O desamparo de S. Frutuoso;O castigo; O pé tolo.

Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Contos da Montanha na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-07-02 12:02:39]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais