Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Convento de N. Sra. das Dores

Situado nas proximidades da Caloura, povoação da ilha açoriana de S. Miguel, o pequeno Convento de N. Sra. das Dores mistura-se na profusão de um cenário verdejante, completado por rochas e mar. Situa-se, no lugar onde, anteriormente, existira uma ermida, entretanto destruída com o sismo de 1522, e que foi ocupada por monjas que, talvez devido aos frequentes ataques de piratas, foram para Vila Franca do Campo para aí fundarem o Mosteiro de Santo André.
No segundo quartel do século XVII, com a erupção vulcânica das Furnas, os eremitas aí residentes fugiram, trazendo consigo a imagem do Santíssimo Sacramento, entre outras, acabando por se instalar na Caloura, em S. Miguel. Em 1633 o bispo confirmou a instalação dos eremitas no local, dando assim início à reconstrução do cenóbio.
O convento de Nossa Senhora das Dores pertenceu à Congregação do Oratório até à sua extinção, em 1834, tendo sido posteriormente vendido a um particular.
O Convento de N. Sra. das Dores está situado nas proximidades da Caloura
Azulejo representando Nossa Senhora das Dores
Convento de N. Sra. das Dores
A frontaria é ritmada por três corpos separados por pilastras e cunhais basálticos, coroados de pináculos. Os corpos laterais são rematados por arcos que sobrepujam, o da esquerda, a ventana e o da direita, um nicho aberto em arco pleno, abrigando um sino em cantaria, originando um falso campanário e conferindo simetria ao edifício. Estes corpos laterais apresentam os panos brancos e dão acesso ao convento e à sacristia.
O corpo central, totalmente revestido a azulejos, divide-se em dois pisos. No piso inferior, rasga-se uma porta simples em basalto, de vão retangular. Separa-o do piso superior uma robusta cornija ressaltada. Neste, abrem-se três janelas, a central de maiores dimensões, também de vão retangular. Este corpo é rematado por um frontão curvilíneo, com as extremidades em volutas, coroado por uma flor-de-lis e uma cruz. No tímpano ao centro, é visível um nicho com a imagem em mármore, dos finais do século XVII, de Nossa Senhora da Conceição, da autoria de Jean Fouger, ladeada por dois painéis de azulejos.
O interior, de nave única, apresenta uma cobertura em abóbada de berço pintada, com as paredes completamente forradas a painéis de azulejos do tipo padrão e figurados. Na parede direita representa-se o padre Diogo da Madre de Deus, fundador do ermitério das Furnas. Os painéis do arco da ousia representam a Sagrada Familía ao centro, ladeada por S. Pedro e S. Paulo.
Os retábulos barrocos da capela-mor, colaterais em cantoneira e arco triunfal, mostram um interessante trabalho regional de talha dourada, sob fundo vermelho.
Na ousia, com cobertura apainelada e pintada, ostentam-se ainda algumas imagens do século XVII, trazidas das Furnas: uma Nossa Senhora da Conceição e uma Santa Ana ensinando a Virgem a ler.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Convento de N. Sra. das Dores na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-12 09:47:07]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros