Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Convento de S. Gonçalo de Amarante

Gonçalo era um frade dominicano nascido na segunda metade do século XIII e que ficaria intimamente ligado à cidade de Amarante, quer pela sua ação evangelizadora, quer ainda pela sua atividade como construtor da antiga ponte medieval que atravessava o Rio Tâmega nessa localidade nortenha. Após a sua morte, recebeu sepultura numa pequena ermida nas margens do Tâmega, vindo a ser venerado por fervoroso culto popular a partir do século XVI, altura em que seria consagrado oficialmente como santo.

D. João III autorizou a construção da Igreja e Convento de S. Gonçalo de Amarante, corria o ano de 1540. A sua edificação seria terminada cerca de 80 anos mais tarde. A autoria do projeto coube ao arquiteto dominicano frei Julião Romero, mas a sua planta original sofreria modificações no século XVII.
Edifício do convento de S. Gonçalo de Amarante (visto da ponte sobre o Rio Tâmega)

Edificado na vigência da arquitetura maneirista, S. Gonçalo de Amarante recebeu igualmente influências do austero Barroco seiscentista. A frontaria principal do templo é formada por galilé de arcos de volta perfeita, assentes em desadornados e poderosos pilares. A galilé é sobrepujada por uma rosácea e dois janelões, aberturas que estabelecem a iluminação interna do templo. A altaneira torre dos sinos é uma construção do Barroco setecentista.

A fachada lateral possui um magnífico portal retabular e uma galeria superior, denominada Varanda dos Reis. O soberbo portal é delineado numa dupla linguagem artística, estabelecida entre o Maneirismo e o Barroco.

O edifício encontra-se dividido em três pisos, de maiores dimensões o térreo face aos restantes. O piso térreo abre-se em arco de volta perfeita, ladeado por medalhões figurativos e delimitado por pares de colunas coríntias que assentam em elevados pedestais. Nesta zona encontram-se dois nichos, abrigando as imagens de vulto de S. Francisco de Assis e de S. Domingos de Gusmão.

O segundo piso é ritmado por seis colunas com caneluras, enquadrando três nichos com graníticas imagens de S. Gonçalo, S. Pedro e S. Tomás de Aquino.

O último piso, contaminado pela decoração barroca, apresenta colunas pseudo-salomónicas e um nicho central com a estátua de N. S. do Rosário com o Menino, ladeado por movimentados ornatos de volutas e pináculos. Encima-o um frontão curvo interrompido pelas armas reais, apresentando ainda o tímpano preenchido por ondulantes volutas.

A Loggia ou Varanda dos Reis é formada por cinco arcos de volta perfeita apoiados em robustos pilares, onde se incluem quatro estátuas assentes em mísulas - representando os quatro reis que patrocinaram este monumento: D. João III, D. Sebastião, D. Henrique e D. Filipe II de Espanha. Esta varanda real é encimada por seis pináculos.

Acima da cobertura do templo ergue-se um belo zimbório circular, rematado por elegante lanternim decorado por azulejos seiscentistas. Destacando-se e marcando a empena da capela-mor e da fachada sul da igreja estão duas graníticas imagens de S. Gonçalo de Amarante.

Interiormente, a igreja desenha um corpo de três naves divididas por arcos de volta perfeita e assentes em pilares, com a nave central apresentando cobertura de reboco e as laterais abóbadas de caixotões. O arco cruzeiro é delimitado por duas colunas encimadas pelas imagens de S. Pedro e S. Paulo.

Acede-se à capela-mor, bem como às colaterais, por uma escadaria. Destaca-se a colateral do Evangelho, onde se localiza a sepultura de S. Gonçalo, podendo observar-se a estátua jacente e a iconografia a ele associada - a ponte medieval de Amarante, de dois arcos. O retábulo-mor é uma bela composição de talha dourada, onde se abrigam as barrocas imagens de S. Domingos de Gusmão e S. Francisco de Assis.

A sacristia é coberta por teto de caixotões pintados, contendo ainda soberbo lavabo da Renascença (com a data de 1554) e belo mobiliário, para além de pinturas entalhadas narrando episódios da vida de S. Gonçalo e outras séries hagiográficas.

Das restantes dependências conventuais, merece um destaque especial o primeiro dos dois claustros, já que o segundo foi parcialmente destruído para se construir a Câmara Municipal de Amarante. O claustro primacial, dividido em dois andares, apresenta-se com o piso térreo ritmado por uma série de arcos de volta perfeita, assentes em pilares da ordem jónica e sustentando cobertura de abóbadas artesoadas.

O andar superior é constituído por galeria corrida de colunas, apoiando uma cobertura de abóbada de nervuras múltiplas. No centro do pátio claustral ergue-se uma monumental e formosa fonte.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Convento de S. Gonçalo de Amarante na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-08-15 22:37:18]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais