Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Convento de Santa Clara

O Convento de Santa Clara de Santarém erguia-se extramuros do burgo medieval escalabitano e foi fundado cerca de 1264, por iniciativa de uma filha de D. Afonso III, D. Leonor Afonso, nobre senhora que vestiu o hábito das freiras clarissas. Do cenóbio mendicante, de traçado arquitetónico do gótico inicial ducentista, apenas subsiste a monumental e despojada igreja conventual, provavelmente ampliada no reinado de D. Dinis.
Obras de restauro e de reintegração conduzidas neste século pela Direção-Geral de Edifícios e Monumentos Nacionais (D.G.E.M.N.) sustiveram a destruição da igreja mas subverteram gravemente a sua leitura de conjunto e o espírito religioso que emanava das diversas campanhas artísticas. Despojado das suas maiores riquezas interiores, como o retábulo quinhentista de Diogo de Contreiras, o cadeiral do coro (c. 1600), os seus exuberantes altares em talha, o revestimento de azulejaria e as esculturas barrocas em madeira, as paredes deste grandioso templo gótico ficaram incomparavelmente mais pobres.
De elevado alçado exterior, a igreja é reforçada por contrafortes no topo poente, rasgando-se nesse pano uma elegante rosácea radial, com as suas arquivoltas decoradas por besantes e encimada por moldura pétrea esmaltada com um armoriado brasão régio. Sobressai da empena a torre sineira. As paredes laterais do corpo da igreja são ritmadas por janelas ogivais geminadas, revelando-se no largo transepto uma fenestração gótica de grandes proporções e de dois lumes, sobrepujados por abertura circular quadrifoliada.
Fachada gótica do convento
A cabeceira é escalonada em cinco volumes arquitetónicos desiguais, com a sua abside poligonal reforçada por contrafortes, entre os quais se rasgam grandes janelas ogivais geminadas, amparando-se nas paredes exteriores da ousia os quatro absidíolos colaterais.
O interior é amplo, constituído por três naves, a central de maior altura e coberta por teto de madeira. Os pilares e colunas sustentam uma arcaria gótica que divide os sete tramos do corpo.
A arca tumular de D. Leonor Afonso é uma obra do século XIV e foi desenterrada nas obras de reintegração da igreja. Os restos mortais da nobre senhora repousam num outro austero túmulo brasonado e lavrado ao gosto da Renascença tardia, encontrando-se esta arca sepulcral adossada à parede de fundo do templo.
A abside desenha uma planta poligonal e está coberta por uma abóbada ogival nervurada, repousando em severas pilastras cruciformes, preenchidas com pinturas a fresco de brutescos seiscentistas. Lateralmente, abrem-se os quatro menores e desadornados absidíolos da cabeceira.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Convento de Santa Clara na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-07-04 12:33:24]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais