Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Crescimento da Economia de Direção Central Pós II Guerra

A força militar que a União Soviética dispunha no final da Segunda Guerra Mundial permitiu que implantasse o regime comunista nos países invadidos, o mesmo acontecendo naqueles que adotaram esta política por livre escolha. Como dizia Jdanov, "o poder pertence ao povo", e é neste contexto que se inserem algumas nacionalizações e expropriações. A base da economia nos países socialistas é a propriedade dos meios produtivos. Ramificando-se em dois modelos, os Estados possuiriam por um lado os equipamentos sociais, o solo e o subsolo, as florestas, os meios de transporte, as fábricas, os sovkohz ou empresas agrícolas estatais, as fábricas e as casas em perímetros urbanos. Dono de vastos territórios que expropriaram muitas vezes a imigrantes ou outros latifundiários, controlam os Estados socialistas toda a produção industrial de base, outorgando aos operários o direito de gerir as empresas nas quais trabalham. A partir de 1948, com a ascensão comunista, na maioria dos países os empresários privados foram substituídos pelo Estado ou pelas empresas consideradas como "propriedade social", se geridas por operários, e houve um crescer das nacionalizações. Um outro modelo foi o das cooperativas ou kolkhoz, em que se assistiu a uma coletivização de camponeses que usufruíam vitaliciamente e gratuitamente do solo. Os governos das denominadas "democracias populares" em países como a Checoslováquia, a Polónia e a Alemanha Oriental, tal como noutros países comunistas da Europa de Leste (entre 1949 e 1952), optaram por proporcionar a estes agricultores as terras expropriadas, criando-se um sistema de parcelas de reduzidas dimensões que, no entanto, acabou por não propiciar os almejados níveis produtivos nem um desenvolvimento significativo em termos agrícolas. As nações de regime comunista chegaram a retirar o usufruto do solo, nas cooperativas superiores, passando também pelo modelo da propriedade comum do trabalho e dos utensílios agrícolas. Este esquema coletivista foi implantado à força (sobretudo na URSS), muitas vezes contrariando a vontade dos camponeses e não sem passar por uma série de recuos, como aconteceu na Hungria em 1953, para se dar uma nova fase de fixação três anos depois. O modelo de planificação centralizado, de característica estalinista e autoritária, sobreviveu até 1965 na União Soviética, emanado pelo Comité de Estado do Plano (Gosplan). Este fiscaliza toda a economia e todos os meios de produção, estipulando os salários, preços, maquinaria a utilizar, seleção de operários, clientes e fornecedores, colocando os objetivos a atingir (que usualmente eram desproporcionados) e os mínimos de produção (também normalmente falseados pelas empresas). Estas condições geram uma situação irrealista e um profundo desequilíbrio económico. O Banco de Estado superintende estreitamente os investimentos do Orçamento de Estado. Com Khrouchtchev, entre 1957 e 1965, surgem os conselhos de economia nacional ou sovnarkhoz, controlando mais apertadamente o Partido Comunista, em teoria, a produção. Como consequência deste regime de economia centralizada a qualidade decresceu, as quantidades declaradas eram irrealistas e acumulavam-se maquinaria e matéria-prima aos quais não era dado o uso adequado. A força militar que a União Soviética dispunha no final da Segunda Guerra Mundial permitiu que implantasse o regime comunista nos países invadidos, o mesmo acontecendo naqueles que adotaram esta política por livre escolha. Como dizia Jdanov, "o poder pertence ao povo", e é neste contexto que se inserem algumas nacionalizações e expropriações. A base da economia nos países socialistas é a propriedade dos meios produtivos. Ramificando-se em dois modelos, os Estados possuiriam por um lado os equipamentos sociais, o solo e o subsolo, as florestas, os meios de transporte, as fábricas, os sovkohz ou empresas agrícolas estatais, as fábricas e as casas em perímetros urbanos. Dono de vastos territórios que expropriaram muitas vezes a imigrantes ou outros latifundiários, controlam os Estados socialistas toda a produção industrial de base, outorgando aos operários o direito de gerir as empresas nas quais trabalham. A partir de 1948, com a ascensão comunista, na maioria dos países os empresários privados foram substituídos pelo Estado ou pelas empresas consideradas como "propriedade social", se geridas por operários, e houve um crescer das nacionalizações. Um outro modelo foi o das cooperativas ou kolkhoz, em que se assistiu a uma coletivização de camponeses que usufruíam vitaliciamente e gratuitamente do solo. Os governos das denominadas "democracias populares" em países como a Checoslováquia, a Polónia e a Alemanha Oriental, tal como noutros países comunistas da Europa de Leste (entre 1949 e 1952), optaram por proporcionar a estes agricultores as terras expropriadas, criando-se um sistema de parcelas de reduzidas dimensões que, no entanto, acabou por não propiciar os almejados níveis produtivos nem um desenvolvimento significativo em termos agrícolas. As nações de regime comunista chegaram a retirar o usufruto do solo, nas cooperativas superiores, passando também pelo modelo da propriedade comum do trabalho e dos utensílios agrícolas. Este esquema coletivista foi implantado à força (sobretudo na URSS), muitas vezes contrariando a vontade dos camponeses e não sem passar por uma série de recuos, como aconteceu na Hungria em 1953, para se dar uma nova fase de fixação três anos depois. O modelo de planificação centralizado, de característica estalinista e autoritária, sobreviveu até 1965 na União Soviética, emanado pelo Comité de Estado do Plano (Gosplan). Este fiscaliza toda a economia e todos os meios de produção, estipulando os salários, preços, maquinaria a utilizar, seleção de operários, clientes e fornecedores, colocando os objetivos a atingir (que usualmente eram desproporcionados) e os mínimos de produção (também normalmente falseados pelas empresas). Estas condições geram uma situação irrealista e um profundo desequilíbrio económico. O Banco de Estado superintende estreitamente os investimentos do Orçamento de Estado. Com Khrouchtchev, entre 1957 e 1965, surgem os conselhos de economia nacional ou sovnarkhoz, controlando mais apertadamente o Partido Comunista, em teoria, a produção. Como consequência deste regime de economia centralizada a qualidade decresceu, as quantidades declaradas eram irrealistas e acumulavam-se maquinaria e matéria-prima aos quais não era dado o uso adequado.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Crescimento da Economia de Direção Central Pós II Guerra na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-07-03 09:29:54]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros