Academia Virtual - O Poder da Voz

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Crises do Capitalismo

Depois da crise do Antigo Regime e das de 1816, 1825, 1836, 1846 e 1857, o capitalismo conheceu a sua principal e mais marcante crise entre os anos de 1873 e 1879, devido à especulação exagerada que se viveu sobretudo na Alemanha. A bolsa de Viena colapsou a 8 de maio de 1873, depois de uma multiplicidade desproporcionada de investimentos por parte dos bancos nos setores da construção civil e dos caminhos de ferro. Cessando a injeção de dinheiro dos bancos falidos, as empresas que sobreviviam com este apoio afundaram-se, provocando uma onda de desemprego e retorno dos operários ao campo. De facto, as empresas de metalurgia deixaram de produzir, uma vez que a crise ferroviária não permitia a encomenda de carris e demais elementos com esta origem. A superprodução, desfasada da procura, fez-se sentir por toda a Europa, além de ter atingido gravemente os Estados Unidos até pelo menos ao ano de 1887. Contudo, a França somente começou a ressentir-se em 1882, uma vez que no início da crise estava obrigada ao pagamento de cinco milhões de francos-ouro à Alemanha, determinado no Acordo de Frankfurt (1871), e tinha tomado medidas económicas restritivas de forma a proceder à liquidação. A quebra económica prolongou-se neste país até 1886, numa crise conhecida como a crise lionesa, assim denominada por ter sido despoletada pela bancarrota do banco de Lyon. Também a Grã-Bretanha se ressentiu destes acontecimentos, vivendo até cerca de 1876 uma crise de lucros insignificantes causados pela drástica diminuição da exportação, desemprego e problemas sociais subsequentes. As possessões coloniais britânicas e países de formação recente passaram a absorver a partir de determinada altura a produção de Inglaterra, apesar de uma nova crise se abater sobre a Europa em 1890. Foi esta fase, que durou cerca de seis anos, iniciada pela falência do banco britânico Baring Cross & Cy., devido às dificuldades no mercado do algodão, da metalurgia e da construção naval e à fase negra atravessada pela Argentina, grande importadora. Não tardaram os problemas a estender-se à Alemanha, aos Estados Unidos e à França, sucedendo-se as falências e as agitações sociais.
Após a Primeira Guerra Mundial deu-se uma grande crise no capitalismo, uma vez que as dificuldades geradas pelo tempo de conflito foram de tal forma consideráveis que abalaram a prática do liberalismo económico, sendo necessário o apoio dos governos.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Crises do Capitalismo na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-09-30 17:24:29]. Disponível em
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Crises do Capitalismo na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-09-30 17:24:29]. Disponível em

Livros e Autores

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

Palavras raras, palavras caras

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais