Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

D. João de Portugal

Filho de D. Manuel de Portugal, comendador de Vimioso (nascido c. 1525), a quem Luís de Camões endereçou a Ode VII como gratificação pelo patrocínio à publicação de Os Lusíadas, e neto de D. Francisco de Portugal, 1.º conde de Vimioso (c. 1485-1549).
D. João de Portugal foi o primeiro marido de D. Madalena de Vilhena, e participou com D. Sebastião na Batalha de Alcácer Quibir. Teve com Madalena um filho e duas filhas: Luís de Portugal, D. Joana de Portugal e D. Maria de Vilhena.
Nobre muito respeitado na sociedade, desapareceu, em 1578, na batalha de Alcácer Quibir. Tal como aconteceu com D. Sebastião, a sua morte nunca foi provada.
Na peça "Frei Luís de Sousa", de Almeida Garrett, D. João de Portugal é apresentado como tendo sido "um honrado fidalgo e um valente cavaleiro" (Cena II, Ato II) de cuja figura se destacavam "as nobres qualidades d'alma, a grandeza e valentia de coração, e a fortaleza daquela vontade, serena, mas indomável" (Cena III, Ato II). No entanto, no presente, é uma espécie de fantasma que arrastará, fatalmente, para um destino trágico, todas as outras personagens.
D. João de Portugal não chegou a ser amado por Madalena; a sua figura aparece mais como a de um protetor ("bom e generoso"). Quando Madalena se refere ao "senhor D. João de Portugal, que Deus tenha em glória" e Telmo, em aparte, lança a dúvida "Terá…", manifestando, assim, a crença de que ainda esteja vivo, o nobre cavaleiro, de espetro invisível na imaginação das personagens, vai lentamente adquirindo contornos até se tornar na figura do Romeiro que se identifica como «Ninguém». É o momento do regresso de D. João de Portugal após vinte e um anos de ausência, vinte dos quais em cativeiro. O seu fantasma pairava sobre a felicidade daquele lar como uma ameaça trágica. E o sonho torna-se realidade.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – D. João de Portugal na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-07-02 00:58:57]. Disponível em

Livros & Autores

Baiôa sem data para morrer

Rui Couceiro

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais