Livros e Autores

Abelhas Cinzentas

Andrei Kurkov

A aldeia das almas desaparecidas

Richard Zimler

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Bom português

puder ou poder?

ver mais

trás ou traz?

ver mais

impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Diário (Miguel Torga)

Miguel Torga é a voz de uma terra - Trás-os-Montes -, frequentemente, isolada e inóspita, mas de uma grandeza ímpar. É também a voz de um povo rude e melancólico, mas de carácter firme e nobre. A sua obra é um todo literário e humano, desde os livros autobiográficos como A criação do Mundo ou os Diários até aos seus poemas. Preocupado com a autenticidade criadora, na linha do pensamento inicial do grupo da revista Presença, recusou pertencer a escolas ou movimentos. Sem deixar de parte um certo comprometimento social, Torga projeta na escrita as suas preocupações com o ser humano, as suas limitações e a sua necessidade de transcendência. Há um sofrimento magoado, feito desassossego, que tanto permite a esperança como conduz ao desespero.
A partir de 1941, foram sendo publicados sucessivos volumes do Diário que contêm as suas reflexões sobre os mais diversos acontecimentos do quotidiano e que demonstram, inequivocamente, uma reflexão madura e uma análise singular.
Para Torga, o Homem deve ser capaz de realizar-se no mundo. Deve unir-se à terra, ser-lhe fiel, para que a vida tenha sentido e o próprio sagrado se exprima. A terra é o lugar concreto e natural do Homem. Na sua terra natal, encontrou a ternura e o sofrimento, o povo concreto com as suas alegrias e as suas tristezas, a sua tranquilidade e o seu esforço.
O telurismo de Torga exprime-se constantemente no seu apego à terra, na sua fidelidade ao povo, na sua consciência de português, de ibérico, no espírito de comunhão europeia e universal. Mas o Poeta não se contenta com cantar a terra com os seus frutos, o mar, o sol ou o vento. Há sempre uma insatisfação mesmo quando afirma que é necessário "nascer e ficar aqui / Onde os pés sentem firmeza". Busca na terra a sua verdade universal, mas sente a condição humana com todos os seus limites.
O mito de Anteu surge em Torga a exprimir o telurismo. O Poeta sente-se revigorado sempre que toca o solo e, por isso, canta ou invoca a aliança com a terra.
No Diário XII, a propósito de uma deslocação a Bruxelas para receber o Prémio Internacional de Poesia (atribuído na XII Bienal de Knocke Heist, em 1976), Miguel Torga analisa o caminho percorrido, recorda as dificuldades passadas e destaca a importância que elas tiveram, quer na opção de vida que tomou, quer na escolha do seu rumo na vida literária. Observe-se ainda a paráfrase de Camões ("Numa mão sempre a espada e noutra a pena" – Os Lusíadas, Canto VII, 79), na parte final desta página do Diário XII: 4 de junho de 1977 - "O rapazinho de outrora ia comer o pão que o diabo amassou; o velho de agora vinha receber um prémio internacional. O prémio de ser fiel às origens, e de ter sempre, como os antepassados, mourejado na mesma humildade e tenacidade, de enxada na mão ou de caneta na mão." (Diário XII, 3.ª edição revista, Coimbra, Ed. do Autor, 1986, pp. 191 192.)
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Diário (Miguel Torga) na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-11-29 14:12:51]. Disponível em
Livros e Autores

Abelhas Cinzentas

Andrei Kurkov

A aldeia das almas desaparecidas

Richard Zimler

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Bom português

puder ou poder?

ver mais

trás ou traz?

ver mais

impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais