Livros e Autores

Abelhas Cinzentas

Andrei Kurkov

A aldeia das almas desaparecidas

Richard Zimler

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Bom português

puder ou poder?

ver mais

trás ou traz?

ver mais

impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Diogo Brandão

Poeta palaciano presente no Cancioneiro Geral, identificado talvez com o contador da fazenda Real no Porto, filho de João Brandão e D. Brites Pereira. O conjunto das composições individuais atribuídas a Diogo Brandão revela uma grande diversidade temática, que vai do panegírico ao louvor religioso e à expressão amorosa e jocosa, aliada a um virtuosismo versificatório manifestado, por exemplo, pelo uso da oitava de arte maior, pela exploração do acróstico e de jogos lexicais ou pelo bilinguismo. As trovas dedicadas à morte do Príncipe Perfeito, compostas após a trasladação do restos mortais do rei, compõem uma longa elocubração sobre a inconstância da vida, a necessidade de desprezo do mundo e sobre a morte que inelutavelmente a todos iguala. Dialogando textualmente com uma composição de Luís Henriques dedicada ao mesmo acontecimento (De Luis Anriques, quando trouxeram / a ossada d'el-rei Dom Joam o / Segundo, que é em / Santa Groria, II, p. 268) concorrem ambas para a glorificação não só dos feitos do monarca, mas, sobretudo, da sua santidade: com efeito, a incorruptibilidade do corpo do Príncipe Perfeito, somada à imagem póstuma de um governante magnânimo, justo e humano, parecia potencializar a crença na prodigiosa capacidade de intervir mesmo após a morte: "Quer Deos dali dar a muitos doentes / comprida saude, tocand' onde jaz...". As composições breves, cantigas e vilancetes, de temática amorosa, pouco acrescentam à poética cortês do Cancioneiro, glosando alguns dos seus lugares-comuns, como a morte de amor, a cegueira ou a coexistência de dois contrários num só sujeito. Dialogando com outros textos do Cancioneiro que receberam a influência de El Infierno de los Enamorados do Marquês de Santillana, o Fyngymento de Amores de Diogo Brandão apresenta um particular interesse, pelo que nos revela de uma influência de Dante, que perdurará na lírica renascentista. Do mesmo modo, e acusando a receção de Petrarca na Península Ibérica, noutros poemas, o sujeito poético erra pelos ermos de uma natureza selvagem, procurando na vida solitária a melhor expressão para o sofrimento de amor: "E aquesta dor presente, / que m'aqueixa, / jamais viver nam me deixa / antre gente./ / E vou-me por esses montes / desastrado sospirando, / os meus olhos coma fontes / vam chorando. / Das lagrimas desmedidas, / verdadeiras, / vam as aguas das ribeiras / mui crecidas. (De Diogo Brabdam, estando / ausente de sua dama, / endereçadas a An- / rique de Saa. (II, 221).
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Diogo Brandão na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-11-27 05:02:12]. Disponível em
Livros e Autores

Abelhas Cinzentas

Andrei Kurkov

A aldeia das almas desaparecidas

Richard Zimler

A Intuição da Ilha

Pilar del Río

Bom português

puder ou poder?

ver mais

trás ou traz?

ver mais

impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais