Livros & Autores

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros

Diogo de Macedo

Escultor, crítico e historiador de arte português nascido a 22 de novembro de 1889, em Vila Nova de Gaia, e falecido a 19 de fevereiro de 1959, em Lisboa.
Fez o curso da Academia Portuense de Belas-Artes, onde foi discípulo de Teixeira Lopes, e, entre 1911 e 1926, passou várias temporadas em Paris, na França, tendo frequentado o atelier do escultor Antoine Bourdelle.
A partir de 1926, instalou-se definitivamente no Porto, onde, entre 1927 e 1932, no seu estúdio, esculpiu os bustos de Antero de Quental, Sara Afonso, António Boto e Mário Eloy. Mais tarde, entre 1940 e 1942, fez as estátuas para a Fonte Monumental da Alameda, em Lisboa.
A obra de Macedo passou pelos géneros modernista, expressionista, bourdeliano, clássico e naturalista. Este artista foi também ilustrador de diversas publicações, nomeadamente as revistas Contemporânea e Ocidente e o Jornal Diário de Lisboa.
Em 1944, foi nomeado diretor do Museu Nacional de Arte Contemporânea, cargo que exerceu até à data da sua morte.
Partilhar
Como referenciar
Porto Editora – Diogo de Macedo na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-06-29 04:09:54]. Disponível em

Livros & Autores

O Dicionário das Palavras Perdidas

O Crespos

Adolfo Luxúria Canibal

Morte no estádio

Francisco José Viegas

Bom português

puder ou poder?

ver mais

tras ou traz?

ver mais

a folha foi impressa ou imprimida?

ver mais

desfrutar ou disfrutar?

ver mais

caibo ou cabo?

ver mais

extrema ou estrema?

ver mais

brócolos ou bróculos?

ver mais

Jogo dos erros